[full-banner-1170-x-134-home-geral1]

Controlando pragas que atacam pastagem – parte 3

No terceiro e último artigo sobre controle de pragas em pastagens, o zootecnista Adilson Aguiar põe foco exclusivo no combate às cigarrinhas

Cigarrinhas das pastagens nas formas adulta (nas folhas). Foto: Embrapa

Por Adilson de Paula Almeida Aguiar –  Zootecnista, professor em cursos de pós-graduação do Rehagro e das Faculdades Associadas de Uberaba (Fazu); consultor associado da Consupec (Consultoria e Planejamento Pecuário), de MG, e investidor nas atividades de pecuária de corte e leite.

Neste terceiro e último artigo sobre pragas de pastagens, vamos nos concentrar na principal delas: as cigarrinhas, com destaque para as espécies Aeneolamia selecta, Deois flavopicta, D. incompleta, D. schach, Notozulia entreriana (típicas de gramíneas forrageiras) e Mahanarva fimbriolata, M. posticata e M. spectabilis, que são dos canaviais, mas também atacam capins. As cigarrinhas possuem três fases de vida: ovo, ninfa e adulto, este último responsável pelos maiores danos.

LEIA TAMBÉM:
Controlando pragas que atacam pastagem – parte 1
Controlando pragas que atacam pastagem – parte 2

As plantas atacadas apresentam aspecto “queimado”, em função das substâncias tóxicas injetadas pelos insetos. Os principais prejuízos observados são: redução na produção de forragem e no crescimento das raízes; queda no valor nutritivo da forragem e aumento de até 60% na presença de invasoras. Nenhum método de manejo ou controle isoladamente é eficaz, sendo recomendada a adoção do manejo integrado de pragas (MIP), que inclui o uso de cultivares resistentes, práticas preventivas e culturais como descrito a seguir:

Gramíneas resistentes – São consideradas resistentes às cigarrinhas do gênero Deois spp (típicas de pastagens) as cultivares Humidícola comum, Mulato 2, Massai, Mombaça, Tamani, Tanzânia e Zuri. Os capins Marandu, MG4, Piatã, Xaraés, Dictyoneura, Aruana e gramas do gênero Cynodon sp são moderadamente resistentes a esses insetos, enquanto o Paiaguás, o B. decumbens e o B. ruziziensis são susceptíveis.

Já os capins humidicola comum, Aruana, Massai, Tamani, Tanzânia e Zuri são classificados como resistente às cigarrinhas do gênero Mahanarva sp; o Marandu, MG4, Mulato 2, Dictyoneura, gramas do gênero Cynodon sp e Mombaça, moderadamente resistentes, e a Paiaguás, Piatã, Xaraés, B. decumbens e a B. ruziziensis, susceptíveis.

Há que se avaliar criticamente essas classificações, porque a resistência geralmente é específica, ou seja, um determinado genótipo pode ser resistente a uma determinada espécie de cigarrinha, mas, na mesma condição, ser suscetível a outras espécies. Por isso, a orientação é evitar monocultivos, para minimizar os danos causados pelas cigarrinhas.

Para continuar lendo é preciso ser assinante.

Você merece este e todo o rico conteúdo da Revista DBO.
Escolha agora o plano de assinatura que mais lhe convém.

Invista na melhor informação. Uma única dica que você aproveite pagará com folga o valor da assinatura.

Se já é assinante, entre com sua conta

This post is only available to members.
Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no linkedin
LinkedIn
Compartilhar no pinterest
Pinterest
Compartilhar no pocket
Pocket
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no skype
Skype
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no linkedin
LinkedIn
Compartilhar no pinterest
Pinterest
Compartilhar no pocket
Pocket
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no tumblr
Tumblr
Compartilhar no print
Print
2742961

Newsletters DBO

Os destaques do dia da pecuária de corte, pecuária leiteira e agricultura diretamente no seu e-mail.