[full-banner-1170-x-134-home-geral1]

Revista DBO | Dieta de alto impacto

Confinamentos usam formulações com pouco ou nenhum volumoso, reduzindo operações, melhorando a eficiência animal e lucrando mais. 

Por Maristela Franco

Em julho de 2006, DBO publicou uma reportagem de capa histórica intitulada “Guerra no cocho”, mostrando como as dietas de confinamento estavam migrando do “alto volumoso” (maior quantidade de fontes de fibra, principalmente silagens) para o “alto concentrado” (mínimo de 70% de grãos e subprodutos). À época, o baixo preço do milho e a necessidade de melhoria do desempenho zootécnico na engorda estimulavam essa migração, mas agora uma nova revolução está em curso.

Do alto concentrado, está-se passando ao “quase nenhum” ou até mesmo “zero volumoso’’. Por pura necessidade. Quanto maior a operação de engorda, maior a “dor de cabeça” com fontes fibrosas (silagens, feno, bagaço de cana), devido à falta de áreas para plantio e dificuldades operacionais. Por isso, muitos projetos grandes (e até mesmo alguns médios e pequenos) estão aderindo à chamada dieta fast (0% a 5% de volumoso), que recebeu esse nome por ser rápida para fabricar, distribuir e consumir.

No último levantamento feito pela Unesp-Dracena junto a nutricionistas, já se observava uma redução significativa na participação dos volumosos nas rações (de 28,8%, em 2009, para 16,75%, em 2020). Esse fenômeno se intensificou nos últimos dois anos. Conforme o benchmarking da Nutron/Cargill, principal difusora das dietas fast no País, 25% dos confinamentos participantes da pesquisa já usam pouco ou nenhum volumoso. “Em número de animais, o percentual sobe para 45%, porque os projetos são grandes”, informa Pedro Veiga, gerente global de tecnologia para bovinos de corte da empresa.

Segundo ele, essa tendência veio para ficar. “A ideia da dieta fast surgiu de uma ‘dor’ dos confinadores. Eles relatavam inúmeros problemas associados às fontes tradicionais de fibra, como incertezas no abastecimento, custos elevados de picagem e distribuição, transtornos na rotina de trato e entraves ao crescimento da operação. Após vários experimentos, criamos tecnologias que nos permitem retirar boa parte ou totalmente o volumoso da formulação, sem prejuízo aos animais”, garante o zootecnista.

Ração fast (5% de feno de tifton), que contrasta bastante com a dieta de alto concentrado convencional, que contém 17% do mesmo volumoso.

 

Para continuar lendo é preciso ser assinante.

Você merece este e todo o rico conteúdo da Revista DBO.
Escolha agora o plano de assinatura que mais lhe convém.

Invista na melhor informação. Uma única dica que você aproveite pagará com folga o valor da assinatura.

Se já é assinante, entre com sua conta

This post is only available to members.
Facebook
Twitter
LinkedIn
Pinterest
Pocket
WhatsApp
Skype
Email
Telegram
Facebook
Twitter
LinkedIn
Pinterest
Pocket
Email
Tumblr
Print
2742961

Newsletters DBO

Os destaques do dia da pecuária de corte, pecuária leiteira e agricultura diretamente no seu e-mail.