[full-banner-1170-x-134-home-geral1]

Silagem de cana: “Coringa” das forrageiras

A silagem de cana-de-açúcar está voltando à cena, principalmente em grandes projetos de engorda, nas regiões canavieiras de São Paulo, Minas Gerais e Paraná

Corte de cana para silagem na fazenda da Ribas Agropecuária, de Guarantã, SP: 8.000 t colhidas em 80 ha.

Por Moacir José com colaboração de Maristela Franco

Após destacar-se como protagonista em dietas de terminação no início dos anos 2.000 e perder fôlego na década seguinte, a silagem de cana-de-açúcar está voltando à cena, principalmente em grandes projetos de engorda, nas regiões canavieiras de São Paulo, Minas Gerais e Paraná. Segundo Rafael Cervieri, sócio da Nutribeef, consultoria de Botucatu, SP, que atende 30 confinamentos responsáveis pela engorda anual de 300.000 cabeças, a silagem de cana tem conquistado novos adeptos nos últimos três anos.

“Em 2020, 25% de nossos clientes usaram esse volumoso, um percentual recorde, que deve aumentar neste ano, porque o milho caro e a escassez de subprodutos está obrigando os produtores a reajustar as dietas dos animais”, explica.

Nas três primeiras pesquisas que Danilo Millen, professor da Unesp Dracena, fez com nutricionistas brasileiros (2009, 2011 e 2015), sequer houve menção à silagem de cana, mas ela apareceu no último levantamento (2020), embora em percentual ainda baixo (3% a 5% dos entrevistados). Para Millen, não é possível falar em “tendência” de emprego desse insumo, mas sua menção na pesquisa indica no mínimo “uso de oportunidade”.

Na gangorra da nutrição animal, principalmente na engorda intensiva, alguns volumosos sobem e outros descem ao longo dos anos. Com exceção da silagem de milho, que é unanimidade entre os nutricionistas (70% dos entrevistados por Millen em 2020 trabalham com esse volumoso), o emprego das demais fontes de fibra depende de peculiaridades regionais e análises de “custo-oportunidade”.

Foi assim com a silagem de cana. Hoje “repaginada” (com maior padrão de qualidade em relação à “versão anos 2000”), ela tornou-se um coringa nas dietas de alto concentrado, substituindo volumosos como o bagaço cru, que está muito caro. Mesmo confinamentos de usinas, que têm este insumo à disposição, passaram a usar silagem de cana. São muitos os atrativos do volumoso: pouca variabilidade entre partidas; ótima aceitação pelo gado; boa aderência à mistura; elevado teor de fibra efetiva, o que permite adensar a dieta sem riscos de acidose; e altíssima produtividade (70 a 90 t/ha), característica que lhe confere custo atrativo.

Nas regiões canavieiras, onde o milho não entra no sistema de produção (usa-se amendoim ou soja na reforma dos canaviais), os confinadores têm se mantido fiéis ao volumoso e há quem tenha se especializado em sua produção para venda a terceiros (veja AQUI).

Para continuar lendo é preciso ser assinante.

Você merece este e todo o rico conteúdo da Revista DBO.
Escolha agora o plano de assinatura que mais lhe convém.

Invista na melhor informação. Uma única dica que você aproveite pagará com folga o valor da assinatura.

Se já é assinante, entre com sua conta

Você precisa adquirir uma de nossas assinaturas.
Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no linkedin
LinkedIn
Compartilhar no pinterest
Pinterest
Compartilhar no pocket
Pocket
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no skype
Skype
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no linkedin
LinkedIn
Compartilhar no pinterest
Pinterest
Compartilhar no pocket
Pocket
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no tumblr
Tumblr
Compartilhar no print
Print

Veja também: