[full-banner-1170-x-134-home-geral1]

Um raio X da pecuária a pasto

Benchmarking Pasto Probeef avaliou dados de 200.000 bovinos pertencentes a 27 fazendas, que produzem, em média, [email protected]/ha/ano

GMD nas fazendas de ciclo completo foi de 431 g/cab/dia.

Por Carolina Rodrigues

Fazer uma radiografia da nutrição a pasto no Brasil. Essa é a proposta do Benchmarking Pasto Probeef, da Nutron/Cargill, que avaliou, pelo segundo ano consecutivo, a “maturidade gerencial” de 27 pecuaristas. Esse conceito pressupõe investimento em tecnologia para lucro máximo e não para custo mínimo, como definiu Pedro Veiga, gerente global de tecnologia da empresa, em entrevista à DBO.

Os dados foram obtidos a partir de uma base de produtores selecionados dentro de amplo universo de clientes da Nutron/Cargill, com o intuito de assegurar informação de qualidade. “Partimos de produtores que tivessem alguma metodologia de coleta de dados na fazenda. Podia ser software, planilha de excel, caderno, anotações em saco de pão”, brinca o consultor nacional de bovinos de corte da Cargill, Luiz Carrijo, para quem a coleta de dados em fazendas de pecuária a pasto ainda representa um enorme desafio.

A empresa faz benchmarking de confinamentos há cinco anos, com mais de 600.000 animais distribuídos em 71 projetos. No levantamento a pasto, trabalhou com uma base de aproximadamente 200.000 animais.

Luiz Carrijo, consultor da Nutron/Cargill.

“É um cenário muito diferente do confinamento, onde o produtor tem um ambiente mais controlado, com todos os animais no mesmo local, fornecimento de comida monitorado, muitas vezes automatizado. O pasto é um ambiente muito mais desafiador para o controle de dados”, acrescenta Carrijo, que, mesmo neste universo mais “extremado”, percebeu ganho de eficiência. “Isso indica que podemos melhorar o que, na média, já é bom”, diz.

Principais indicadores

O benchmarking de pasto identificou as seguintes médias produtivas: taxa de lotação de 1,26 UA/ha; ganho de 617 g/cab/dia e produtividade próxima de [email protected]/ha/ano. Apenas 11% dos pecuaristas inseridos na base da pesquisa produziram cerca de [email protected]/ha/ano, hoje considerada a média da produtividade nacional. “Para nós, sem dúvida, é um retrato muito interessante do perfil do nosso cliente, que é o pecuarista com médio/alto uso de tecnologia”, acrescenta Pedro Veiga.

O objetivo do levantamento é comparar os indicadores produtivo-econômicos dessas propriedades, posicionando-as em relação a seus “pares” (fazendas com o mesmo perfil), tanto para traçar estratégias de mercado, quanto para identificar oportunidade de melhoria da porteira para dentro.

Para continuar lendo é preciso ser assinante.

Você merece este e todo o rico conteúdo da Revista DBO.
Escolha agora o plano de assinatura que mais lhe convém.

Invista na melhor informação. Uma única dica que você aproveite pagará com folga o valor da assinatura.

Se já é assinante, entre com sua conta

This post is only available to members.
Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no linkedin
LinkedIn
Compartilhar no pinterest
Pinterest
Compartilhar no pocket
Pocket
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no skype
Skype
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no linkedin
LinkedIn
Compartilhar no pinterest
Pinterest
Compartilhar no pocket
Pocket
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no tumblr
Tumblr
Compartilhar no print
Print
2742961

Newsletters DBO

Os destaques do dia da pecuária de corte, pecuária leiteira e agricultura diretamente no seu e-mail.