12 de abril de 2022

Revista DBO | O que esperar do 1º giro do confinamento?

Em sua coluna na edição de abril, o diretor-proprietário da Scot Consultoria Alcides Torres Jr. apresenta uma projeção de resultado no 1º giro de engorda de 2022 

Por Alcides Torres Jr. – Engenheiro agrônomo e diretor-proprietário da Scot Consultoria, de Bebedouro, SP. (Colaboração: Thayná Drugowick)

Diante da atual conjuntura do mercado global e seus reflexos nos custos de produção, ter ‘’certeza’’ é coisa rara. Segundo levantamento da Scot Consultoria feito em 191 confinamentos, a atividade cresceu 25,8% em 2021 frente a 2020, devido aos resultados atrativos propiciados pela alta nos preços do boi gordo, embora não tenha havido trégua por parte dos custos de produção. As expectativas positivas para os grãos na temporada 2021/2022, que se tinha na reta final de 2021, mudaram em meio à quebra de produtividade das lavouras na safra de verão, causada pela forte estiagem no Sul do Brasil.

VEJA TAMBÉM | Confinamento: taxa de lucro fica em 6,65% em 2021 e pode chegar a 13,37% este ano

Do início deste ano até 15 de março, a cotação da saca de 60 kg do milho, em Campinas (SP), subiu 15,6% ou R$14,50/saca. E a soja, tendo como referência a praça de Paranaguá (PR), subiu R$33/saca, no mesmo intervalo. Já a referência de preço para o boi magro, responsável por aproximadamente 70% do custo total do confinamento, subiu 13,3% no mesmo intervalo, tendo-se São Paulo como referência. Sob esse cenário, estimamos a rentabilidade do 1º giro dos confinamentos neste ano. Veja a seguir.

Para continuar lendo é preciso ser assinante.

Você merece este e todo o rico conteúdo da Revista DBO.
Escolha agora o plano de assinatura que mais lhe convém.

Invista na melhor informação. Uma única dica que você aproveite pagará com folga o valor da assinatura.

Se já é assinante, entre com sua conta

This post is only available to members.

Revista DBO | Um seguro contra a aftosa

O veterinário Manuel José Sanchez Vasquez, coordenador de Epidemiologia do Panaftosa, conversou com DBO sobre a criação do banco de antígenos para depois do fim da vacinação

Manuel José Sanchez Vasquez, coordenador de Epidemiologia do Panaftosa.

Um antigo sonho sul-americano começa a sair do papel. Dez anos após o início das primeiras discussões, o Banvaco (Banco Regional de Antígenos e Vacinas) está prestes a se concretizar. Criado sob a supervisão do Panaftosa (Centro Pan-Americano de Febre Aftosa e Saúde Pública Veterinária), o banco tem por objetivo fortalecer o atual status de erradicação da doença na América do Sul, provendo aos países-membros uma reserva estratégica de antígenos e vacinas capaz de protegê-los contra cepas regionais e mundiais e até mesmo ameaças de bioterrorismo. O veterinário Manuel Jose Sanchez Vasquez, coordenador de Epidemiologia do Panaftosa, conversou com DBO sobre a criação do banco. Confira!

Para continuar lendo é preciso ser assinante.

Você merece este e todo o rico conteúdo da Revista DBO.
Escolha agora o plano de assinatura que mais lhe convém.

Invista na melhor informação. Uma única dica que você aproveite pagará com folga o valor da assinatura.

Se já é assinante, entre com sua conta

This post is only available to members.

Revista DBO | Seduzidos pela pecuária

Confira os destaques da edição de abril: na capa, fazenda de São Desidério, no Oeste baiano, consegue alta lucratividade na ILP em modelo em que emprenha bezerras Nelore-Angus aos 10 meses e confina e abate as primíparas 90 dias após a desmama; vídeo

Revista DBO | A virada produtiva do Nelore

A criação do CEIP em 1995 e seus desdobramentos no melhoramento genético estão na conversa da repórter Carolina Rodrigues com Leonardo Souza, diretor do Qualitas, um dos principais programas credenciados a emitir o certificado

Leonardo Souza, diretor do Nelore Qualitas.

 

Por Carolina Rodrigues

A criação do Certificado Especial de Identificação e Produção Animal (Ceip) pelo Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa), em 1995, foi um dos marcos na evolução genética do rebanho brasileiro, por possibilitar a migração para um modelo de seleção lastreada no desempenho a campo. Como parte das comemorações dos 40 anos de DBO, vamos contar um pouco dessa história na seção Prosa Quente, em entrevista conduzida pela repórter Carolina Rodrigues com o veterinário Leonardo Souza, diretor do Nelore Qualitas.

Além de ser testemunha ocular do desenvolvimento do mercado Ceip no Brasil, Leo (como é chamado) também comanda um dos maiores programas de melhoramento genético do País, com 22 anos de existência, 51.484 animais certificados entre 2002 e 2021, em 57 rebanhos espalhados por sete Estados brasileiros. Além de excelente técnico, Leo é uma grande liderança do setor, com visão de futuro apurada. Confira a seguir.

Para continuar lendo é preciso ser assinante.

Você merece este e todo o rico conteúdo da Revista DBO.
Escolha agora o plano de assinatura que mais lhe convém.

Invista na melhor informação. Uma única dica que você aproveite pagará com folga o valor da assinatura.

Se já é assinante, entre com sua conta

This post is only available to members.

2742961

Newsletters DBO

Os destaques do dia da pecuária de corte, pecuária leiteira e agricultura diretamente no seu e-mail.

Relacionado