Abiove: Moratória da soja pode ser revista com negociação com compradores

Medida depende também de o País poder comprovar o controle do desmatamento ilegal

A Associação Brasileira das Indústrias de Óleos Vegetais (Abiove) disse que pode rever a Moratória da Soja na Amazônia se associações de produtores e governo se juntarem às tradings para negociar com compradores no exterior, disse o presidente da Associação Brasileira das Indústrias de Óleos Vegetais (Abiove), André Nassar.

Ao Broadcast Agro, sistema de notícias em tempo real do Grupo Estado, ele afirmou que a medida depende também de o País poder comprovar o controle do desmatamento ilegal. A Moratória tem sido questionada por produtores no Brasil. Na quinta-feira, o presidente da Associação Brasileira dos Produtores de Soja do Brasil (Aprosoja Brasil), Bartolomeu Braz Pereira, confirmou que a associação questionará o programa no Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade). “É possível, sim, rever a moratória”, afirmou Nassar.

Segundo ele, tradings que estão no Brasil, associações de produtores e governo têm de negociar com os compradores da soja brasileira. “As associações de produtores têm de estar no mesmo barco, mas a opção delas foi pelo conflito. Nós temos que olhar o produtor, claro, a gente trabalha para o produtor, mas também temos que olhar o nosso consumidor, não podemos fazer de conta que ele não existe”, afirmou.

Segundo o representante da Abiove, é preciso deixar claro para os importadores que o desmatamento ilegal ficará totalmente fora da cadeia de soja. “As associações de produtores deveriam estar conosco cobrando do governo uma forma de identificação do desmatamento legal e segregação do ilegal. Tem o Cadastro Ambiental Rural (CAR), que já está aí. Sistema para fazer isso tem.”

Nassar contou que a Abiove aguarda uma notificação sobre um possível recurso dos produtores junto ao Cade para se posicionar. “Fiquei sabendo dessa intenção por declarações públicas do presidente da Aprosoja Brasil”, afirmou. Para o representante da Abiove, o argumento de que a moratória não passa de uma tentativa comercial de reduzir preços ao produtor “não se sustenta”. Segundo ele, a moratória foi criada para atender à demanda de clientes no exterior.

“Como no Brasil o setor privado não tem uma ferramenta para identificar o que é desmatamento legal e ilegal e nem o Estado identifica e embarga produtores oficialmente por estar desmatando ilegalmente, a nossa resposta lá atrás (na criação da moratória) foi de que no Bioma Amazônico não compramos mais de área aberta depois de 2008”, afirmou.

“Conseguimos caracterizar que a moratória foi criada para proteger o mercado da soja, sobretudo o mercado europeu, que é quem compra 50% do farelo de soja que a gente exporta. A Europa é muito importante para o nosso produto industrializado.” Segundo Nassar, a Abiove já vinha alertando compradores no exterior que produtores têm questionado “com muita veemência” a moratória da soja e que a política “precisa ser repensada”.

Ele assinalou que, se os órgãos de fiscalização garantirem que produtor cumpre o Código Florestal e que, se desmata, é com autorização de supressão, é possível pedir aos clientes externos que paguem um prêmio aos agricultores se quiserem de fato desmatamento zero (nem legal nem ilegal).

“A gente quer que nosso importador valorize o produtor brasileiro, reconheça que ele tem reserva legal, que as emissões da produção de soja no Brasil são 30% menores do que a soja norte-americana”, disse Nassar. “Para criar essa valorização, a gente precisa ter o controle correto do que tem de conversão de área para a soja ilegal. Preciso garantir para o meu cliente que não há soja com desmatamento ilegal entrando na cadeia.”

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no linkedin
LinkedIn
Compartilhar no pinterest
Pinterest
Compartilhar no pocket
Pocket
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no skype
Skype
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no linkedin
LinkedIn
Compartilhar no pinterest
Pinterest
Compartilhar no pocket
Pocket
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no tumblr
Tumblr
Compartilhar no print
Print

Notícias relacionadas:

[banner-link-364-x-134-home-geral1]

[banner-link-364-x-134-home-geral2]

[banner-link-364-x-134-home-geral3]

TV DBO

A DBO Editores Associados, fundada em junho de 1982, sempre se caracterizou como empresa jornalística totalmente focada na agropecuária. Seu primeiro e principal título é a Revista DBO, publicação líder no segmento da pecuária de corte. O Portal DBO é uma plataforma digital com as principais notícias e conteúdo técnico dos segmentos de corte, leite, agricultura, além da cobertura dos leilões de todo o Brasil.

Todos direitos reservados @ 2019 | Rua Dona Germaine Burchard, 229 | Bairro de Perdizes, São Paulo-SP

Do NOT follow this link or you will be banned from the site!
×
×

Carrinho

Encontre as principais notícias e conteúdos técnicos dos segmentos de corte, leite, agricultura, além da mais completa cobertura dos leilões de todo o Brasil.

Encontre o que você procura: