Abitrigo solicita revisão das prioridades dos projetos da Embrapa

Entidade encaminhou ofício à ministra Tereza Cristina solicitando reavaliação das ações em prol do aumento de produção do grão no Brasil

Ao longo do ano de 2020, a Associação Brasileira da Indústria do Trigo (Abitrigo) empenhou-se em contribuir com a Embrapa para a elaboração de uma proposta para expansão do trigo para a região do Cerrado brasileiro. A associação foi informada de que o Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) apoiava e sinalizava dar prioridade ao projeto.

SAIBA MAIS | Baixa oferta interna mantém preço do trigo em alta

Recentemente, chegou ao conhecimento da Abitrigo, com surpresa, que o Mapa não priorizou o projeto e ele não foi aprovado. A entidade lamentou a decisão, sem conseguir entender a razão do “mais importante componente da alimentação dos brasileiros” não tomar a vanguarda dos projetos de expansão da política agrícola nacional, destacou a associação em comunicado à imprensa.

“Encaminhamos na semana passada um ofício ao Mapa solicitando, em nome do interesse nacional, a revisão das prioridades dos projetos, recentemente apresentados pela Embrapa. Solicitamos que esse assunto volte a ser prioridade, visando a expansão do trigo no Cerrado brasileiro, uma ação que, aos olhos da Abitrigo, é imprescindível para reduzir a vulnerabilidade nacional, referente à dependência do País do trigo internacional para abastecer o mercado interno”, diz o presidente-executivo da Abitrigo, Rubens Barbosa.

Para a Abitrigo, o cereal é uma das vulnerabilidades do Brasil, acentuada pela pandemia, como foi possível notar ao longo dos acontecimentos de 2020. A associação entende que o País não pode continuar a depender de importações para atender a quase 60% de seu consumo interno. “Isso representa uma falha grande na segurança alimentar para a sociedade nacional”, diz o comunicado.

O Brasil, mesmo sendo um grande produtor agrícola mundial, tem o trigo como o único grão importado. Apesar de possuir grande diversidade alimentar, o País ainda tem no trigo sua principal fonte energética, respondendo por 18% das necessidades da população brasileira, superando o arroz e o feijão.

Fonte: Ascom Abitrigo

Compartilhe
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no linkedin
LinkedIn
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email

As apostas são altas para o futuro da produção de carne no Brasil. Veja o que dizem as lideranças ouvidas para o Especial Perspectivas 2021 do Anuário DBO. Assista:

Publieditorial

2742961

Newsletters DBO

Os destaques do dia da pecuária de corte, pecuária leiteira e agricultura diretamente no seu e-mail.