Menu
Menu

Aprosoja estima quebra de até 20% na produção de soja de Goiás

Altas temperaturas, chuvas irregulares e dois veranicos reduziram o potencial produtivo das lavouras

A Associação dos Produtores de Soja e Milho de Goiás (Aprosoja-GO) projeta queda de 17% a 20% ante a produção de soja esperada no começo do ciclo, de 11,8 milhões de toneladas. Conforme a associação, altas temperaturas, chuvas irregulares e dois veranicos (períodos prolongados de clima quente e seco) em dezembro e em janeiro reduziram o potencial produtivo das lavouras em Goiás. Até o momento, em torno de 15% da área plantada foi colhida, conforme nota divulgada nesta quarta-feira pela associação.

+Exportações de soja devem voltar ao nível pré-guerra comercial
+Imea reduz estimativa de produtividade da soja de MT
+Colheita da soja atinge 25% da área plantada no PR, aponta Deral

A quebra de safra – em torno de 2 milhões de toneladas – representa até o momento R$ 2,173 bilhões em prejuízos, estimou a Aprosoja-GO, considerando preço médio de R$ 65/saca. “Esperamos que (ao fim da colheita) o produtor ainda consiga uma safra satisfatória, com preços que cubram pelo menos o que foi investido. Assim poderemos pensar na próxima safra”, disse o presidente da associação, Adriano Barzotto, na nota.

O plantio da safra 2018/19 de soja em Goiás ocorreu dentro da janela ideal, de 1º de outubro até meados de novembro, mas depois disso episódios de clima seco começaram a afetar as lavouras, principalmente as plantadas primeiro ou com cultivares de ciclo mais curto.

“Essas áreas sofreram com o estresse hídrico em fases cruciais do desenvolvimento, como o florescimento e o enchimento de grãos, e também registraram encurtamento do ciclo”, afirmou o consultor técnico da Aprosoja-GO, Cristiano Palavro. “Porém, as demais lavouras também foram afetadas pelo clima irregular entre dezembro e janeiro, o que pode ainda ampliar as perdas gerais no Estado.”

No sudoeste goiano, principal região produtora do Estado, as produtividades obtidas não estão uniformes. “Variedades menos precoces têm melhorado as médias”, disse o vice-presidente da associação, Joel Ragagnin. Em Rio Verde e Mineiros, há “produtividades péssimas e fenomenais”, segundo o agricultor Rogério Vian. “Vão de 25 a 85 sacas/ha pelos relatos de produtores.”

Fonte: ESTADÃO CONTEÚDO

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest
Share on pocket
Pocket
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on skype
Skype
Share on email
Email
Share on telegram
Telegram
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest
Share on pocket
Pocket
Share on email
Email
Share on tumblr
Tumblr
Share on print
Print

Veja também:

[banner-link-364-x-134-home-geral1]

Sustentabilidade é isso aí…

Hélio Casale destaca os esforços do agricultor na busca pela sustentabilidade e os principais temas abordados no 3º Fórum de Agricultura Sustentável

[banner-link-364-x-134-home-geral2]

[banner-link-364-x-134-home-geral3]

SOBRE A MÍDIA DBO

A DBO Editores Associados, fundada em junho de 1982, sempre se caracterizou como empresa jornalística totalmente focada na agropecuária. Seu primeiro e principal título é a Revista DBO, publicação líder no segmento da pecuária de corte. O Portal DBO é uma plataforma digital com as principais notícias e conteúdo técnico dos segmentos de corte, leite, agricultura, além da cobertura dos leilões de todo o Brasil.

ANUNCIE DBO

Acompanhe aqui o vídeo da edição mais recente da Revista DBO. Para ver os destaques das outras edições, basta clicar aqui.

ASSINE A REVISTA DBO

Revista DBO Ligue grátis: 0800 110618 (Segunda a sexta, das 08h00 às 18h00)

2018 DBO - Todos os direitos reservados

×
×

Carrinho