Boi safrinha: “Onde não tinha boi, colhemos menos soja”, afirma agropecuarista

Eduardo Manjabosco detalha sua experiência de 12 anos com o sistema, implementado com sucesso na propriedade no município de Formosa do Rio Preto, no Oeste da Bahia

Nunca foi tão importante ter boi na fazenda, inclusive para incrementar a produção de grãos. A máxima foi testada e comprovada pelo engenheiro agrônomo e produtor rural, Eduardo Manjabosco, da fazenda Triunfo, em Formosa do Rio Preto, na região Oeste da Bahia.

Ao longo de 12 anos, ele adotou o sistema “boi safrinha”. Além de adicionar mais uma atividade na fazenda, com a terminação de bovinos, Manjabosco passou a colher muito mais soja.

Eduardo Manjabosco, titular da fazenda Triunfo, em Formosa do Rio Preto (BA)

Quando começamos esse sistema, achávamos que onde se colocava o boi, menos soja ia ser produzida. Esse era o maior medo. Mas logo no primeiro ano, já produzimos mais soja. Fizemos a comparação, e onde não tinha boi, colhemos menos soja”, diz o agropecuarista.

Manjabosco foi um dos convidados da edição do programa DBO Entrevista, que foi ao ar segunda-feira (3/5). Participou também o médico veterinário, Roberto Guimarães Júnior, da Embrapa Cerrados (Planaltina, DF); confira a entrevista em vídeo no final da matéria.

O mote foi justamente dar mais detalhes do sistema apelidado como “boi safrinha”, ou “pasto safrinha”. A partir da Integração Lavoura-Pecuária (ILP), o sistema se refere ao uso da forragem produzida em consórcio no verão com a finalidade de cobertura de solo para o sistema de plantio direto e para a alimentação de bovinos na estação da seca (inverno).

Safrinha de boi

A técnica caiu como uma luva para o produtor porque, na região onde está, ele só pode fazer a lavoura de verão, com soja e milho. O boi se tornou justamente a safrinha da fazenda, que passa a pastejar a área de milho, depois do grão colhido e com o desenvolvimento da forrageira.

O sistema abrange toda a área com milho da fazenda, que ocupa 25% do total e representa 4,9 mil hectares nesta safra 2020/2021. O grão é cultivado em consórcio com a braquiária, e está fazendo a diferença para o produtor.

“O objetivo principal era fazer palhada para o sistema plantio direto. Quando vimos a quantidade de forragem que era produzida, justamente na época da seca, pensamos que se encaixaria bem com uma engorda de boi”, diz o produtor.

De um rebanho inicial de 300 animais, hoje a fazenda termina cerca de cinco mil bovinos com cerca de 24 meses.

Já os resultados da soja, na safra 2010/2011, a produtividade em áreas de sistema de plantio direto no resíduo pós-pastejo havia sido de 67,5 sacas por hectare – 24% a mais que as 54,6 sacas por hectare obtidas nas áreas sem os capins.

Baixo custo e muita rentabilidade

A opção desse sistema se encaixa para a produção de bovinos no Cerrado como uma boa opção de alimentação para o gado de baixo custo, e que pode ser replicado em toda a região, segundo Guimarães Júnior, da Embrapa.

Roberto Guimarães Júnior, médico veterinário e pesquisador da Embrapa Cerrados

Para o pecuarista é muito interessante porque é amortizado os cursos de formação da pastagem com a venda dos grãos. Uma vez que tem um efeito residual da adubação da cultura anual, o produtor não precisa adubar novamente. Ele só vai gastar só com operacional, o animal e a semente da braquiária ou qualquer outro tipo de gramínea”, diz Guimarães Júnior.

Em quatro anos de avaliação pela Embrapa, a área estimada com o “boi safrinha” no Cerrado passou de 973 mil hectares em 2015/2016 para 1,5 milhão de hectares em 2016/2017; 2,3 milhões em 2017/2018, até chegar a 3 milhões de hectares no ciclo 2019/2020.

A receita bruta praticamente dobrou só comparando as temporadas de 2018/2019 e 2019/2020. Segundo a Embrapa, a receita bruta saltou de R$ 6,2 bilhões para R$ 12,3 bilhões.

O agricultor que começa a plantar pasto não volta atrás. O pecuarista que começa a fazer agricultura para estabelecer e renovar o pasto também não volta. É um ciclo virtuoso para os dois sistemas”, avalia o pesquisador.

Confira a entrevista, na íntegra:

Compartilhe
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no linkedin
LinkedIn
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email

A aposta do Grupo Webler na cria

VEJA os destaques da edição de julho da Revista DBO; na capa, o Grupo Webler, forte em agricultura e pecuária, está dobrando a aposta na intensificação da cria em sua propriedade em Sapezal, no noroeste de Mato Grosso

A aposta do Grupo Webler na cria

VEJA os destaques da edição de julho da Revista DBO; na capa, o Grupo Webler, forte em agricultura e pecuária, está dobrando a aposta na intensificação da cria em sua propriedade em Sapezal, no noroeste de Mato Grosso

Publieditorial

2742961

Newsletters DBO

Os destaques do dia da pecuária de corte, pecuária leiteira e agricultura diretamente no seu e-mail.