Brasil amplia participação de mercado do café nos países árabes

De acordo com o Cecafé, as exportações brasileiras do produto registraram uma taxa de crescimento médio anual de 3,8% nos últimos nove anos
Foto: Mustafa Hassona/Anadolu Agency/AFP

A exportação de café do Brasil aos países árabes registrou uma taxa de crescimento médio anual de 3,8% nos últimos nove anos, até 2019. Neste ano, de janeiro a setembro, os embarques do produtos seguiram avançando, ficando 7,3% maiores frente ao mesmo período de 2019.

“A qualidade e a sustentabilidade dos cafés brasileiros permitiram ao país ampliar o seu market share no mercado árabe”, disse Nelson Carvalhaes, presidente do Conselho dos Exportadores de Café do Brasil (Cecafé).

No período de 2010 a 2019, entre os países árabes, o Cecafé destacou o crescimento de 328,8% para Argélia, 16,3% para a Jordânia, 13,1% para a Síria e 10,3% para a Tunísia.

Em um ano em que todos os setores enfrentam desafios gerados pela pandemia da Covid-19, o setor cafeeiro conviveu com incertezas quanto à venda do grão. O Cecafé garante que apesar disso, os embarques seguiram normalmente durante o período.

“É importante destacarmos que as exportações de café do Brasil, de modo geral, seguiram o ritmo normal de embarques, oferecendo um produto com muita qualidade e sustentabilidade, cumprindo rigorosamente as medidas de segurança e proteção dos colaboradores e seguindo as regras da OMS (Organização Mundial da Saúde) e das instituições públicas de saúde municipais e estaduais”, afirmou Carvalhaes.

O presidente do Conselho lembrou que a demanda se manteve estável já que, embora restrições aplicadas diretamente a hotéis, restaurantes e cafeterias, tenham afetado principalmente o segmento de cafés especiais, houve a elevação do consumo nos lares.

Também em ano de pandemia a Cooperativa Regional de Cafeicultores em Guaxupé (Cooxupé) registrou um aumento na venda de café aos países árabes. Em 2020 até o momento, a exportação do café verde da espécie arábica soma 18.322 sacas de 60 kg do produto. No ano de 2019 inteiro o volume embarcado foi de 16.900 sacas do mesmo tipo de café.

A instituição é a maior cooperativa de produtores de café do Brasil e tem incentivado a produção de grãos de qualidade. A exportação para o bloco árabe, no entanto, ainda é voltada para o mercado de commodities. “No momento a Cooxupé, por meio da SMC, não possui relação comercial de cafés especiais com países árabes”, disse Osvaldo Bachião Filho, vice-presidente da Cooxupé. A SMC é o braço focado em comercialização de cafés especiais da Cooxupé.

Para elevar o recebimento de produto de qualidade, a cooperativa criou programas como o Especialíssimo. A iniciativa gerou um crescimento na entrega dos cafés especiais em 88% em 2020 em relação a 2019, primeiro ano de programa.

“Sem dúvidas houve mais investimentos [dos produtores]. Nossos cooperados foram incentivados pela Cooxupé constantemente nos últimos anos a investir na produção de café com mais qualidade. Para isso, treinamos os profissionais do nosso Departamento de Assistência Técnica para orientar e esclarecer dúvidas sobre como produzir um café especial. O cooperado se preparou para essa oportunidade. Importante lembrar também que neste ano tivemos uma colheita sob um clima totalmente favorável, com chuvas até o mês de março e depois um período mais seco durante a safra (sem chuvas), permitindo que o café dos nossos produtores alcançasse uma boa peneira”, explicou Bachião. Peneira é termo usado no setor para designar a classificação do café pela qualidade.

Compartilhe
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no linkedin
LinkedIn
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email

Publieditorial

2742961

Newsletters DBO

Os destaques do dia da pecuária de corte, pecuária leiteira e agricultura diretamente no seu e-mail.