Brasil luta na OMC contra barreiras protecionistas

Setor privado pediu ao governo brasileiro para apresentar cinco propostas visando derrubar barreiras às exportações

O setor privado pediu ao governo brasileiro para apresentar cinco propostas visando derrubar barreiras às exportações nacionais, na revisão do Acordo sobre Medidas Sanitárias e Fitossanitárias (acordo SPS) na Organização Mundial do Comércio (OMC). A informação consta no blog Agridata, da Agrifatto Consultoria, de Bebedouro, SP, baseada em texto do jornalista Assis Moreira, de Genebra.

“Barreiras disfarçadas, sem embasamento científico, estão aumentando e atingem nossas exportações”, diz a gerente de Política Comercial da Confederação Nacional da Indústria (CNI), Constanza Negri Biasutti.

Uma das propostas sugere que os 164 membros da OMC estabeleçam o critério da “regionalização”, ou seja, cronograma para o reconhecimento de áreas livres de pragas e de doenças. Se um país não conceder o reconhecimento e impedir a importação, deve apresentar os critérios a serem cumpridos para o país exportador obter o atestado.

Essa medida reduziria casos como o embargo do Japão à carne bovina brasileira, que vem desde 2012, por causa de um caso atípico da doença da vaca louca. O Japão nunca suspendeu o embargo, embora o Brasil seja apto e exporte para outros mercados.

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest
Share on pocket
Pocket
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on skype
Skype
Share on email
Email
Share on telegram
Telegram
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest
Share on pocket
Pocket
Share on email
Email
Share on tumblr
Tumblr
Share on print
Print

Veja também:

DNA de gestora

Quem observa a médica veterinária Carine Letícia Schneider Faifer (29 anos) em frente a uma das poucas escolinhas infantis de Chapadão do Céu (cidade goiana

Uma jovem pioneira

Aos 21 anos, Maria Vitória Faé Proença já é pecuarista famosa em Santa Catarina. Ela é dona da Fazenda Vitória, em Rio das Antas (207

Que modelo sucessório adotar?

Não são poucas as dúvidas das famílias rurais quando o assunto é sucessão. Além da delicadeza da questão, definir qual modelo adotar não é tarefa

Fechar Menu
×

Carrinho