Brasil tem condições para apostar em produção de soja de baixo carbono, diz Embrapa

Chefe-geral da Embrapa Soja afirma que está sendo criado grupo de trabalho para reunir informações e definir parâmetros para certificação
Foto: Divulgação

O chefe-geral da Embrapa Soja, Alexandre Lima Nepomuceno, disse nesta quinta-feira, na live Soja Carbono Neutro, promovida pela Confederação de Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA), que o Brasil, pela diferença entre os sistemas produtivos de norte a sul, pode apostar em uma produção de soja de baixo carbono.

“Pela diversidade de situações em que nós plantamos soja no Brasil, talvez a melhor ideia é ser uma soja baixo carbono. Em algumas situações talvez consigamos atingir uma soja carbono neutro”, disse.

De acordo com o chefe-geral da Embrapa, é possível pensar em soja carbono neutro em situações de integração lavoura, pecuária e floresta (ILPF). Segundo Nepomuceno, a Embrapa Soja está criando um grupo de trabalho para reunir informações já publicadas em artigos científicos e “criar parâmetros que depois podem ser certificados por uma instituição certificadora”.

“Isso pode, sim, trazer uma agregação de valor para os nossos produtores. A média de pagamento por créditos de carbono no mundo é em torno de US$ 10/tonelada”, disse. “Mas mais importante que isso é mostrar para o mundo que a nossa produção é sustentável. Já temos vários números que comprovam isso, mas temos que cada vez mais mostrar esses números.”

O pesquisador citou o exemplo de várias tecnologias que ajudam a reduzir a emissão de carbono, como o plantio direto. Segundo ele, a técnica, com a retenção de carbono no solo e redução de entrada de máquinas, possibilita que 60 milhões de toneladas de gases de efeito estufa deixem de ser colocadas na atmosfera.

Ainda conforme Nepomuceno, é preciso quantificar as contribuições de outras práticas, como fixação biológica de nitrogênio e manejo integrado de pragas. O grupo de trabalho ajudará nesse sentido. “O que temos que fazer agora é colocar indicadores que possam ser validados por nós e que possam ser certificados”, disse. “Não adianta só falar, você tem que comprovar cientificamente.”

Compartilhe
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no linkedin
LinkedIn
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email

Publieditorial

2742961

Newsletters DBO

Os destaques do dia da pecuária de corte, pecuária leiteira e agricultura diretamente no seu e-mail.