Carne bovina: apesar da retomada dos envios à China, EUA seguem como maior destino

De acordo com dados da Secex, os embarques de dezembro/21 aos Estados Unidos registraram novo recorde mensal, de 30,3 mil toneladas

Após pouco mais de três meses, os envios de carne bovina à China foram retomados na segunda quinzena de dezembro.

Conforme dados da Secex, no último mês, o Brasil exportou 6,79 mil toneladas da proteína (in natura, industrializada, miúdos entre outros) ao país asiático.

Aos Estados Unidos, por sua vez, os embarques de dezembro registraram novo recorde mensal, de 30,3 mil toneladas, resultado que sustentou o país norte-americano como o maior destino da proteína brasileira pelo segundo mês seguido.

VEJA TAMBÉM |  Carne bovina: exportações podem bater recorde para um mês de janeiro

Segundo pesquisadores do Cepea, esse resultado está atrelado, entre outros fatores, ao Real desvalorizado frente ao dólar, o que torna a carne nacional bastante competitiva e atrativa aos norte-americanos.

Vale ressaltar que os Estados Unidos são grandes produtores de proteína bovina, mas também são importantes demandantes – o país tipicamente exporta carne cara e importa carne barata.

Em 2021, a carne brasileira foi enviada aos Estados Unidos à média de US$ 7,26/kg, avanço de 1,8% frente à de 2020 (de US$ 7,14/kg).

Compartilhe
WhatsApp
Facebook
Twitter
LinkedIn
Telegram
Email

Revista DBO | Na vanguarda ambiental

VEJA mais destaques da edição de julho; na capa, Liga do Araguaia entra no “mercado verde”. Alguns produtores já recebem de R$ 250 a R$ 370/ha/ano para manter excedente florestal de pé.

Revista DBO | Na vanguarda ambiental

VEJA mais destaques da edição de julho; na capa, Liga do Araguaia entra no “mercado verde”. Alguns produtores já recebem de R$ 250 a R$ 370/ha/ano para manter excedente florestal de pé.

Publieditorial

2742961

Newsletters DBO

Os destaques do dia da pecuária de corte, pecuária leiteira e agricultura diretamente no seu e-mail.