Carne bovina: exportações totais da Austrália recuam no 1º semestre

Pecuária australiana passa por um mau momento, com embarques mensais em queda e riscos de entrada do vírus de febre aftosa a partir da Indonésia

A pecuária de corte da Austrália, um dos mais maiores e mais tradicionais países exportadores mundiais de carne bovina – concorrente do Brasil em alguns importantes mercados compradores, como a China –, não vive um bom momento.

Além de conviver com o risco de entrada do vírus da febre aftosa que atualmente se espalha pela ilha de Bali (e também em outros locais da Indonésia), o país da Oceania vem amargando resultados irrisórios no setor de exportação da proteína vermelha.

Segundo informações desta terça-feira (5/7) do portal australiano Beef Central, em junho último, os embarques de carne bovina da Austrália registraram mais uma queda, repetindo o desempenho negativo verificado nos meses anteriores, um reflexo “das baixas taxas de abate, de desafios logísticos, entre outros fatores”.

O volume de carne australiana embarcado para todos os mercados importadores atingiu apenas 79.553 toneladas no mês passado, praticamente o mesmo o volume registrado em abril/22, e 8% acima do computado em junho de 2021.

SAIBA MAIS | Febre aftosa se espalha pela ilha de Bali e eleva o risco de contaminação no rebanho da Austrália

No entanto, em comparação com junho de 2020, o impacto do declínio atual é muito mais aparente, observa a reportagem da Beef Central. Foram 96.500 toneladas em junho de 2020, quase 17.000 toneladas, ou 18% a mais, do que o volume computado em junho de 2022.

No acumulado do primeiro semestre, as exportações de carne bovina da Austrália somaram 398.475 toneladas, uma queda de 6% em relação ao volume obtido no mesmo período do ano passado, e retração de 28% (ou 155.000 toneladas) na comparação com o resultado observado nos primeiros de seis meses em 2020.

Mercados da carne australiana – O Japão, o maior e mais valioso cliente de exportação da Austrália, comprou 22.500 toneladas de carne bovina australiana no mês passado, um recuo de 12% sobre o desempenho obtido no mês anterior, mas um aumento de 7% sobre junho de 2021, informa a reportagem.

No primeiro semestre de 2022, o Japão comprou 108.500 toneladas de carne bovina australiana, uma retração de 3,6% em relação ao mesmo período do ano passado e queda de 20% sobre o volume verificado em junho de 2020.

A Coreia do Sul manteve a sua posição como o segundo maior mercado de exportação de carne bovina da Austrália no mês passado, superando os EUA e a China em volume.

As compras coreanas atingiram 14.000 toneladas em junho/22, 6% acima do volume de maio/22 e 12% superior ao volume de junho do ano passado.

No acumulado dos seis meses deste ano, a Coreia do Sul recebeu em torno de 71.000 toneladas de carne bovina australiana resfriada e congelada, 6,6% abaixo do volume registrado no primeiro semestre de 2021.

A China ocupou o terceiro lugar no ranking de volume em junho/22, com 13.956 toneladas, 3% maior que as exportações de maio/22, mas 19% menor em comparação ao patamar alcançado em junho do ano passado.

No acumulado do ano, a China importou pouco mais de 73.000 toneladas de carne bovina australiana, volume marginalmente superior ao mesmo período do ano passado.

Segundo a Beef Central, “a Austrália está sendo cada vez mais marginalizada no mercado da China devido ao produto mais barato exportado pelos países da América do Sul” (incluindo a carne brasileira).

Recentemente, os EUA, pela primeira vez ultrapassaram a Austrália em termos de participação de mercado na China.

Considerando as taxas extremamente altas de abate de carne bovina nos Estados Unidos, não é surpresa que as exportações australianas para o gigante da América do Norte permaneçam em patamares baixos, diz a reportagem.

O volume embarcado aos EUA atingiu apenas 10.888 toneladas em junho/22, ligeiramente abaixo do resultado obtido no mês anterior, e queda de 11% sobre junho do ano passado. No acumulado dos seis meses, a Austrália exportou apenas 58.760 toneladas ao mercado norte-americano, queda de 12% em relação ao mesmo período do ano anterior.

VEJA TAMBÉM | Secex: exportações brasileiras de carne bovina in natura sobem 9% em jun/22

Nos mercados de exportação menores e emergentes, o padrão foi semelhante, informa a reportagem.

A Indonésia comprou 4.075 toneladas de carne bovina australiana no mês passado, um aumento de 10% em relação ao mês anterior, mas queda de 15% sobre junho de 2021. Nos últimos seis meses, o comércio ao mercado da Indonésia atingiu 17.833 toneladas, queda de 25% sobre igual intervalo do ano passado.

A região combinada de sete países do Oriente Médio importou 2.830 toneladas de carne bovina australiana em junho/22, um aumento marginal em relação ao volume de maio, mas 23% acima da quantidade registrada em junho de 2021. Porém, no acumulado de janeiro a junho deste ano, o comércio para essa região caiu 11%, para 13.116 toneladas, em relação mesmo período ao ano anterior.

O volume importado pelo Reino Unido no mês passado atingiu apenas 75 toneladas – pelo menos um pouco melhor do que as 39 toneladas enviadas em junho de 2021. No acumulado de janeiro a junho, total embarcado ao mercado do Reino Unido foi insignificante, de 386 toneladas.

Em junho/22, o embarque de carne bovina australiana para a União Europeia (UE) foi de 566 toneladas, abaixo das 767 toneladas do mês anterior. No acumulado até junho, as exportações ao mercado da UE somaram apenas 3.800 toneladas. (Com Beef Central)

Compartilhe
WhatsApp
Facebook
Twitter
LinkedIn
Telegram
Email

Revista DBO | Na vanguarda ambiental

VEJA mais destaques da edição de julho; na capa, Liga do Araguaia entra no “mercado verde”. Alguns produtores já recebem de R$ 250 a R$ 370/ha/ano para manter excedente florestal de pé.

Revista DBO | Na vanguarda ambiental

VEJA mais destaques da edição de julho; na capa, Liga do Araguaia entra no “mercado verde”. Alguns produtores já recebem de R$ 250 a R$ 370/ha/ano para manter excedente florestal de pé.

Publieditorial

2742961

Newsletters DBO

Os destaques do dia da pecuária de corte, pecuária leiteira e agricultura diretamente no seu e-mail.