Segunda-feira gorda para a arroba em quase todo o País

Oferta enxuta de gado e exportações continuam trazendo pressão altista em grande parte das praças pecuárias

O mercado do boi gordo abriu a semana mantendo o viés de alta, com destaque para as valorizações registradas nas regiões pecuárias do Centro-Oeste brasileiro, onde está concentrada a maior parte do rebanho bovino brasileiro.

Segundo dados levantados nesta segunda-feira, 15 de junho, pela Informa Economics FNP, os preços da arroba subiram hoje nas praças do Mato Grosso, Mato Grosso do Sul e de Goiás. “Os agentes do mercado se mostraram mais otimistas diante da recuperação parcial do consumo doméstico de carne bovina no último final de semana e se posicionaram de forma mais ativa nas compras, elevando os valores oferecidos pelo boi gordo”, destaca a consultoria.

No Centro-Oeste, assim como nas demais regiões pecuárias, a baixa oferta de gado terminado neste início de entressafra tem emplacado forte pressão altista nas cotações. “Os animais disponíveis para abate são insuficientes para atender a demanda das indústrias”, observa a FNP. Essa escassez de boiadas é agravada pela necessidade de retenção de fêmeas, devido ao atual ciclo de alta e à valorização do gado magro, o que força ainda mais a permanência de matrizes nas fazendas(para fazer a reposição dos rebanhos), relata a consultoria.

Em Mato Grosso, houve registro de frigoríficos que reduziram o nível de abates para conseguir se adequar às ofertas de boiada no mercado, de acordo com a FNP. Em Goiás, os bons níveis de chuvas registrados nos últimos dias têm mantido os pastos com boa disponibilidade de massa verde e os pecuaristas optam pela retenção dos animais, à esperada de preços da arroba ainda.

Além da oferta enxuta de animais para abate, o ritmo consistente das exportações de carne bovina, sobretudo à China, continua dando suporte para uma maior procura dos frigoríficos na compra do gado, elevando os valores oferecidos aos pecuaristas.

Confira as cotações desta segunda-feira, 15 de junho, de acordo com a FNP:

SP-Noroeste: R$ 209/@ a (prazo)

MS-Dourados: R$ 193/@ (à vista)

MS-C. Grande: R$ 195/@ (prazo)

MS-Três Lagoas: R$ 195/@ (prazo)

MT-Cáceres: R$ 180/@ (prazo)

MT-Tangará: R$ 178/@ (prazo)

MT-B. Garças: R$ 179/@ (prazo)

MT-Cuiabá: R$ 175/@ (à vista)

MT-Colíder: R$ 173/@ (à vista)

GO-Goiânia: R$ 191/@ (prazo)

GO-Sul: R$ 193/@ (prazo)

PR-Maringá: R$ 197/@ (à vista)

MG-Triângulo: R$ 194/@ (prazo)

MG-B.H.: R$ 191/@ (prazo)

BA-F. Santana: R$ 192/@ (à vista)

RS-P.Alegre: R$ 196/@ (à vista)

RS-Fronteira: R$ 194/@ (à vista)

PA-Marabá: R$ 192/@ (prazo)

PA-Redenção: R$ 191/@ (prazo)

PA-Paragominas: R$ 198/@ (prazo)

TO-Araguaína: R$ 192/@ (prazo)

TO-Gurupi: R$ 189/@ (à vista)

RO-Cacoal: R$ 177/@ (à vista)

RJ-Campos: R$ 186/@ (prazo)

MA-Açailândia: R$ 187/@ (à vista)

Compartilhe
WhatsApp
Facebook
Twitter
LinkedIn
Telegram
Email

Revista DBO | Na vanguarda ambiental

VEJA mais destaques da edição de julho; na capa, Liga do Araguaia entra no “mercado verde”. Alguns produtores já recebem de R$ 250 a R$ 370/ha/ano para manter excedente florestal de pé.

Revista DBO | Na vanguarda ambiental

VEJA mais destaques da edição de julho; na capa, Liga do Araguaia entra no “mercado verde”. Alguns produtores já recebem de R$ 250 a R$ 370/ha/ano para manter excedente florestal de pé.

Publieditorial

2742961

Newsletters DBO

Os destaques do dia da pecuária de corte, pecuária leiteira e agricultura diretamente no seu e-mail.