CNA diz que decreto sobre mercado de carbono é positivo para o setor agropecuário

O texto com as diretrizes para a regulação deste mercado foi publicado nesta sexta-feira, 20/5,no Diário Oficial da União

A Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA) avaliou que o Decreto 11.075/22, que cria os mecanismos para a criação do mercado de carbono brasileiro, é “passo importante para a efetivação desse segmento”.

O texto com as diretrizes para a regulação deste mercado foi publicado nesta sexta-feira no Diário Oficial da União (DOU). Em nota, o presidente da Comissão Nacional de Meio Ambiente da entidade e da Federação da Agricultura e Pecuária do Estado do Amazonas (Faea), Muni Lourenço, disse que o Brasil tem um grande ativo florestal e ambiental e precisa gerar receita com os créditos de carbono.

A CNA diz ter contribuído na elaboração do texto do decreto. Segundo o coordenador de Sustentabilidade da CNA, Nelson Ananias Filho, o texto buscou um melhor termo para o mercado de carbono brasileiro que trouxesse vantagens para o agro e cumprisse o papel de incentivar a produção cada vez menos emissora. “A atividade agropecuária brasileira entra com grande potencial de acessar o mercado de carbono desde que as regras sejam compatíveis com o setor.”

VEJA TAMBÉM | Brasil tem tecnologia para fazer pecuária de baixa emissão de carbono

De acordo com Filho, o documento vai regular duas ações principais, que são os acordos setoriais, responsáveis pelas ações de cada setor para que o País atinja a Contribuição Nacionalmente Determinada (NDC), que é o compromisso do Brasil na Conferência das Nações Unidas sobre Mudanças Climáticas (COP). “Cada setor da economia terá a oportunidade de trabalhar e propor ações até onde é economicamente viável criar uma demanda de mercado de carbono interno”, disse na nota.

Outra ação é a criação do sistema nacional de redução de emissões, plataforma onde os créditos de carbono poderão ser registrados, certificados e negociados.

“Conseguimos que o setor agropecuário fosse entendido como um setor que tem peculiaridades e grande potencial dentro do mercado de carbono. Com isso, entendemos que o decreto foi importante para dar start a esse mercado, que ainda precisa ser bastante estudado, mas que a princípio é positivo para o setor.”

DBO Entrevista | Pesquisa de peso na pegada do carbono no boi em Mato Grosso

Compartilhe
WhatsApp
Facebook
Twitter
LinkedIn
Telegram
Email

Publieditorial

2742961

Newsletters DBO

Os destaques do dia da pecuária de corte, pecuária leiteira e agricultura diretamente no seu e-mail.