CNC discute com governo liberação antecipada de recursos do Funcafé

Segundo o presidente da entidade, Silas Brasileiro, a liberação antecipada dos recursos do fundo funcionará como uma injeção de liquidez no setor

O Conselho Nacional do Café (CNC) negocia com o governo a liberação antecipada do orçamento recorde de R$ 5,71 bilhões do Fundo de Defesa da Economia Cafeeira (Funcafé) para a safra 2020/21, considerando a pandemia por coronavírus.

Segundo o presidente do CNC, Silas Brasileiro, a liberação antecipada dos recursos do Funcafé funcionará como uma injeção de liquidez no setor, fundamental a partir da segunda quinzena de maio e início de junho, quando a colheita do café alcançará volumes significativos.

O presidente do CNC diz em relatório semanal que, “com acesso ao capital da linha de Custeio, o cafeicultor terá fôlego para realizar seu pagamento semanal aos trabalhadores da panha e, com os de Estocagem, não precisará vender o café em momentos inoportunos do mercado, protegendo sua renda”.

Dos R$ 5,71 bilhões que o Fundo tem disponíveis para a safra 2020, R$ 1,6 bilhão é destinado à linha de financiamento de Custeio; R$ 2,3 bilhões para Estocagem; R$ 1,15 bilhão para Aquisição de Café (FAC); R$ 650 milhões para Capital de Giro; e R$ 10 milhões para Recuperação de Cafezais Danificados.

Os agentes financeiros que integram o Sistema Nacional de Crédito Rural interessados em operar os recursos do Funcafé na temporada cafeeira 2020/21 já foram avisados pelo Ministério da Agricultura que devem enviar suas propostas até a próxima quarta-feira, 22 de abril, por meio do e-mail [email protected]

Compartilhe
WhatsApp
Facebook
Twitter
LinkedIn
Telegram
Email

Revista DBO | Na vanguarda ambiental

VEJA mais destaques da edição de julho; na capa, Liga do Araguaia entra no “mercado verde”. Alguns produtores já recebem de R$ 250 a R$ 370/ha/ano para manter excedente florestal de pé.

Revista DBO | Na vanguarda ambiental

VEJA mais destaques da edição de julho; na capa, Liga do Araguaia entra no “mercado verde”. Alguns produtores já recebem de R$ 250 a R$ 370/ha/ano para manter excedente florestal de pé.

Publieditorial

2742961

Newsletters DBO

Os destaques do dia da pecuária de corte, pecuária leiteira e agricultura diretamente no seu e-mail.