Menu
Menu

Com demanda chinesa, “aumento de preços é natural”, afirma ABPA

Previsão da ABPA é de que as exportações brasileiras de carne suína cresçam 20% este ano

Com a forte demanda chinesa por proteína animal após as perdas observadas no país devido à peste suína africana, o aumento dos preços de suínos e aves no Brasil é “natural”, segundo observou Francisco Turra, presidente da Associação Brasileira de Proteína Animal (ABPA).

+Efeitos da peste suína na China começam a ser sentidos no Brasil
+Com demanda chinesa, valor do frango atinge maior patamar desde 2015
+Rabobank prevê déficit de 16 mi de t de carne suína na China

Segundo dados divulgados pela ABPA, as exportações brasileiras de frango em abril somaram 338,9 mil toneladas, avanço de 34,9% ante igual período do ano passado. A China foi o principal destino em abril e no acumulado do ano, respondendo por 11,7% desse montante, e com isso superou a Árabia Saudita (maior importador até então).

Com isso, o valor médio do frango vivo calculado pelo Cepea ficou em R$ 3,45 o quilo em abril, alta de 10,2% ante março e de 48% ante igual período do ano passado, atingindo o maior patamar desde dezembro de 2015. No varejo, o Cepea apontou a valorização de todos os cortes acompanhados pela instituição, “exceto aqueles que são menos demandados para exportação”.

No caso da carne suína, a ABPA aponta a exportação de 58,1 mil toneladas em abril deste ano, aumento de 44,3% na comparação com o mesmo mês de 2018. Assim como o frango, a China se tornou o principal comprador do produto brasileiro este ano, respondendo por 27,7% do volume exportado em abril e desbancando a Rússia, até então a maior importadora da carne suína brasileira.

Em relação aos preços, Turra explica que só não houve alta expressiva observada em abril devido à menor elasticidade da cadeia, com prazos de abate maiores que o do frango (onde o ciclo de engorda dura menos de dois meses).

Segundo o Cepea, a carcaça especial suína negociada na Grande São Paulo registrou alta de 3,23% de 30 de abril a 8 de maio, com o quilo passando para a média de R$ 6,60 nessa quarta-feira. Paralelamente, as exportações para a China cresceram 22,3% de março para abril.

“As expectativas dos próximos meses são de volumes ainda mais expressivos, ao ponto de o Brasil ter uma oferta interna limitadíssima”, observa Turra ao descartar um desabastecimento no mercado interno e ressaltar uma maior força das importações chinesas a partir do segundo semestre.

A previsão da ABPA é de que as exportações brasileiras de carne suína cresçam 20% este ano e as de aves avancem mais de 10% no mesmo período. Desse modo, a alta das vendas internacionais até o momento é vista como “apenas o começo” do que está por vir.

“É uma oportunidade para o Brasil crescer e se consolidar como fornecedor chinês porque esse problema não vai ser resolvido num curto espaço. Os chineses estão abatendo muitas matrizes”, ressalta o presidente da ABPA. Segundo ele, o país levará pelo menos três anos para recompor a sua oferta interna.

Ainda de acordo com Turra, abatedouros que até então encontravam-se fechados têm retomado suas atividades tanto com aves quanto com suínos com o intuito de atender um déficit de cerca de 12 milhões de toneladas no mercado chinês.

“Trata-se de uma crise muito significativa, totalmente diferente do que aconteceu em outros anos, porque atingiu o maior rebanho suíno do mundo. O que observamos em abril foi apenas uma amostra, com a China tornando-se o principal destino de aves e suínos do Brasil”, explica Turra.

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest
Share on pocket
Pocket
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on skype
Skype
Share on email
Email
Share on telegram
Telegram
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest
Share on pocket
Pocket
Share on email
Email
Share on tumblr
Tumblr
Share on print
Print

Veja também:

[banner-link-364-x-134-home-geral1]

[banner-link-364-x-134-home-geral2]

SOBRE A MÍDIA DBO

A DBO Editores Associados, fundada em junho de 1982, sempre se caracterizou como empresa jornalística totalmente focada na agropecuária. Seu primeiro e principal título é a Revista DBO, publicação líder no segmento da pecuária de corte. O Portal DBO é uma plataforma digital com as principais notícias e conteúdo técnico dos segmentos de corte, leite, agricultura, além da cobertura dos leilões de todo o Brasil.

ANUNCIE DBO

Acompanhe aqui o vídeo da edição mais recente da Revista DBO. Para ver os destaques das outras edições, basta clicar aqui.

ASSINE A REVISTA DBO

Revista DBO Ligue grátis: 0800 110618 (Segunda a sexta, das 08h00 às 18h00)

2018 DBO - Todos os direitos reservados

×
×

Carrinho