Corrente comercial entre Brasil e países árabes é maior desde 2014

O comércio entre árabes e brasileiros em 2021 movimentou US$ 24,25 bilhões; os Emirados Árabes Unidos foram o principal destino dos produtos do Brasil

O balanço do comércio do Brasil com os países árabes em 2021 apontou para um cenário de melhora econômica.

A corrente comercial entre o País e o bloco alcançou seu maior patamar desde 2014, somando US$ 24,25 bilhões.

“Isso mostra que, apesar de ser um ano ainda pandêmico, a recuperação rápida dos países árabes conseguiu aumentar esse saldo”, declarou Tamer Mansour, CEO e secretário-geral da Câmara de Comércio Árabe Brasileira.

No total, o Brasil exportou US$ 14,42 bilhões ao bloco dos países árabes, aumento de 26% na receita gerada.

O bloco segue como terceiro principal destino das exportações brasileiras. Além de produtos ligados à agricultura, como açúcares e carne de frango, o minério de ferro puxou a balança e teve aumento considerável na demanda de países como Emirados Árabes Unidos e Arábia Saudita.

“Vamos dividir isso em dois aspectos. Os árabes estão retomando suas indústrias. Isso mostra como a recuperação econômica deles foi rápida e válida. E há a tendência e reafirmação do Brasil como um dos maiores parceiros comerciais em termos de agronegócio”, afirmou Mansour.

Para o executivo, a expectativa é também de que novos caminhos se abram para as exportações brasileiras.

“Esperamos que em 2022 a balança continue subindo. Estávamos aguardando esse aumento em 2020, mas a pandemia atrapalhou. E agora, com essa estabilidade dos últimos sete meses nos países árabes, destacando-se os Emirados, pela própria movimentação ligada a Expo 2020 Dubai, tudo isso indica que eles voltaram e restabeleceram as economias mais rápido”, concluiu.

No acumulado do ano de 2021, os Emirados Árabes Unidos assumiram a liderança entre os principais países árabes compradores do Brasil. O país do Golfo teve um aumento de 13,21% na receita do ano passado frente ao mesmo período de 2020.

“A retomada dos Emirados ao primeiro lugar mostra como eles foram um dos países do mundo a se reestabelecer mais rápido na pandemia. Juntamente a isso, também foi um dos principais países a ter grande parte da população vacinada contra a covid”, ressaltou o executivo.

Em segundo lugar, esteve a Arábia Saudita, com aumento de 9,78% na receita gerada em 2021 frente ao ano anterior. E em terceiro lugar veio o Egito, com crescimento de 14,55% em 2021, no mesmo comparativo.

VEJA TAMBÉM | ABPA: exportações brasileiras de ovos crescem 81,5% em 2021

Importação dos países árabes – Já no ranking das importações brasileiras, os árabes estão em quinto lugar entre os principais fornecedores. Em 2021, a receita com as compras de produtos árabes foi de US$ 9,82 bilhões, aumento de 82% frente a 2020.

“Além dos produtos naturais, como combustíveis e fertilizantes, o alumínio começa a aparecer com força na balança comercial”, destacou Mansour sobre o item, que teve aumento em volume nas compras brasileiras a partir de nações como Emirados e Arábia Saudita.

Compartilhe
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no linkedin
LinkedIn
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email

No embalo do mercado

Confira os destaques da edição de dezembro; na capa, fazenda da BRPec Agropecuária, com mais de 130 mil ha no MS, trocou o ciclo completo pela cria, mas mantém estrutura para virar a chave se o cenário mudar

No embalo do mercado

Confira os destaques da edição de dezembro; na capa, fazenda da BRPec Agropecuária, com mais de 130 mil ha no MS, trocou o ciclo completo pela cria, mas mantém estrutura para virar a chave se o cenário mudar

Publieditorial

2742961

Newsletters DBO

Os destaques do dia da pecuária de corte, pecuária leiteira e agricultura diretamente no seu e-mail.