Crédito para recuperar cafezais deve aumentar de R$ 10 milhões para R$ 150 milhões

Recursos são do Fundo de Defesa da Economia Cafeeira (Funcafé), e a medida será analisada pelo Conselho Monetário Nacional (CMN)

Os produtores de café querem elevar a linha de crédito para recuperação de lavouras danificadas dos atuais R$ 10 milhões para R$ 150 milhões. Os recursos são do Fundo de Defesa da Economia Cafeeira (Funcafé), e a medida será analisada, na quinta-feira (26/11) pelo Conselho Monetário Nacional (CMN), informa o Conselho Nacional do Café (CNC).

O presidente do CNC, Silas Brasileiro, confirmou em comunicado o encaminhamento de voto nesse sentido após reunião, na tarde de ontem, com Marcos Montes e Silvio Farnese, respectivamente secretário Executivo e diretor do Departamento de Comercialização e Abastecimento do Ministério da Agricultura.

A demanda da produção surgiu após as primeiras análises do impacto da estiagem e das altas temperaturas, em agosto e setembro, no cinturão cafeeiro do Brasil, principalmente em áreas de Minas Gerais, Espírito Santo e São Paulo, os três maiores Estados produtores no País, além do Paraná.

“Nossas cooperativas e empresas de assistência técnica e extensão rural vêm apurando o real impacto que essa adversidade climática causará, mas é certo que teremos perdas consideráveis na safra 2021, por isso pleiteamos mais capital a esses produtores que tiveram suas lavouras atingidas”, explica Brasileiro na nota.

O CMN realizará reunião ordinária na quinta e a expectativa é que aprove o voto agrícola demandado pelo setor. “A elevação dos recursos não envolverá outras fontes que não o Funcafé, pois solicitamos o remanejamento de capital não utilizado de outras linhas, como do Financiamento para Aquisição de Café, da Comercialização e do Capital de Giro, que serão realocados proporcionalmente do saldo remanescente para a de Recuperação dos Cafezais”, detalha o dirigente.

Além da ampliação do valor total, o setor também solicita a elevação de R$ 3 mil para R$ 8 mil por hectare, até R$ 200 mil por tomador, montante que é mais condizente com a realidade dos custos com a poda e os tratos culturais, medidas necessárias para a revitalização das lavouras impactadas.

Segundo o presidente do CNC, se a medida for aprovada pelo CMN, o produtor que desejar tomar os recursos deverá se enquadrar nas especificações do Manual de Crédito Rural. “Será necessária a apresentação de um laudo técnico, o qual delimite a área prejudicada, a intensidade das perdas decorrentes das adversidades climáticas e que identifique a forma de recuperação da capacidade produtiva dos cafezais”, conclui.

Compartilhe
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no linkedin
LinkedIn
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email

Publieditorial

2742961

Newsletters DBO

Os destaques do dia da pecuária de corte, pecuária leiteira e agricultura diretamente no seu e-mail.