Demanda interna reprimida põe frigoríficos em alerta e reduz negócios no mercado do boi gordo

Indústria tenta, sem sucesso, baixar o valor da arroba, que segue nas alturas pela baixa oferta de boiadas

Os preços do boi gordo seguem firmes em praticamente todas as praças brasileiras, sem que haja espaço para uma pressão de baixa mais consistente por parte dos frigoríficos, relatam as consultorias que acompanham diariamente o mercado pecuário.

Segundo a IHS Markit, a oferta escassa de boiada gorda atua como um fator fundamental para a sustentação da cotação em todo o País. Na avaliação da Scot Consultoria, além da baixa disponibilidade de animais terminados, outro fator que pode ajudar a manter o valor da arroba nas alturas é uma eventual melhoria na demanda de carne bovina, puxada pela entrada do salário neste início do mês e pela retomada mais consistente das exportações, depois que a China voltou ao mercado comprador de proteína vermelha.

Na praça paulista, segundo apurou a Scot, o boi gordo vale em torno de R$ 300/@, preço bruto e a prazo, enquanto os negócios envolvendo vacas e novilha gordas estão ocorrendo em R$ 282/@ e R$ 294/@, respectivamente, nas mesmas condições de pagamento.

Segundo a IHS Markit, de uma maneira geral, as indústrias frigoríficas ainda tentam barganhar negócios a valores mais baixos que as máximas vigentes, cadenciado o fluxo das compras de gado terminado – mesmo operando com capacidade operacional reduzida e escalas de abate bastante curtas. Porém, relata a HIS, essa estratégia tem apresentado resultados práticos praticamente nulos, pois a maioria dos pecuaristas não está disposto a ceder à pressão de baixa dos frigoríficos. O registro de chuvas e, consequentemente, a melhoria dos pastos no Brasil-Central contribuem para que os pecuaristas segurem a oferta de boiadas terminadas, cadenciando melhor a venda.

Atualmente, o foco das indústrias é tentar contornar os eventuais prejuízos gerados pelo forte encarecimento da matéria-prima (boiadas gordas) e à dificuldade em repassar esse aumento explosivos nos custos operacionais aos consumidores finais de carne bovina. A fragilidade do consumo interno é reflexo do baixo poder aquisitivo da população, que tem procurado cada vez mais proteínas mais baratas, como o frango e a carne de porco.

Giro pelas praças

Variações positivas nos preços do boi gordo continuaram a ocorrer no Mato Grosso, onde a demanda por animais terminados segue firme, encabeçada por maior procura de indústrias exportadoras locais e também de compradores de gado de outras regiões, relata a IHS Markit. Segundo apurou a Scot Consultoria, na região Norte do MT, a arroba subiu R $1/@ nesta segunda-feira (1/3), ante o valor de sexta-feira.

O preço da arroba também reagiu nas praças do Rio Grande do Sul, refletindo a dificuldade de compra de gado e, ao mesmo tempo, o registro de novas unidades de abate habilitadas para vender a proteína no mercado externo.

Entre as praças da região Norte, os preços do boi gordo seguem voláteis devido à baixa liquidez nos negócios, relata a IHS.

No mercado atacadista brasileiro, os valores dos principais cortes bovinos continuaram estagnados nesta segunda-feira.

Cotações desta segunda-feira (1/3), segundo dados da IHS Markit:

SP-Noroeste:

boi a R$ 300/@ (prazo)
vaca a R$ 281/@ (prazo)

MS-Dourados:

boi a R$ 281/@ (à vista)
vaca a R$ 269/@ (à vista)

MS-C. Grande:

boi a R$ 282/@ (prazo)
vaca a R$ 268/@ (prazo)

MS-Três Lagoas:

boi a R$ 281/@ (prazo)
vaca a R$ 266/@ (prazo)

MT-Cáceres:

boi a R$ 291/@ (prazo)
vaca a R$ 280/@ (prazo)

MT-Tangará:

boi a R$ 293/@ (prazo)
vaca a R$ 281/@ (prazo)

MT-B. Garças:

boi a R$ 292/@ (prazo)
vaca a R$ 280/@ (prazo)

MT-Cuiabá:

boi a R$ 296/@ (à vista)
vaca a R$ 279/@ (à vista)

MT-Colíder:

boi a R$ 290/@ (à vista)
vaca a R$ 276/@ (à vista)

GO-Goiânia:

boi a R$ 290/@ (prazo)
vaca R$ 278/@ (prazo)

GO-Sul:

boi a R$ 290/@ (prazo)
vaca a R$ 276/@ (prazo)

PR-Maringá:

boi a R$ 281/@ (à vista)
vaca a R$ 263/@ (à vista)

MG-Triângulo:

boi a R$ 298/@ (prazo)
vaca a R$ 270/@ (prazo)

MG-B.H.:

boi a R$ 295/@ (prazo)
vaca a R$ 276/@ (prazo)

BA-F. Santana:

boi a R$ 279/@ (à vista)
vaca a R$ 271/@ (à vista)

RS-Porto Alegre:

boi a R$ 291/@ (à vista)
vaca a R$ 276/@ (à vista)

RS-Fronteira:

boi a R$ 291/@ (à vista)
vaca a R$ 276/@ (à vista)

PA-Marabá:

boi a R$ 278/@ (prazo)
vaca a R$ 272/@ (prazo)

PA-Redenção:

boi a R$ [email protected] (prazo)
vaca a R$ 273/@ (prazo)

PA-Paragominas:

boi a R$ 276/@ (prazo)
vaca a R$ 273/@ (prazo)

TO-Araguaína:

boi a R$ 280/@ (prazo)
vaca a R$ 271/@ (prazo)

TO-Gurupi:

boi a R$ 279/@ (à vista)
vaca a R$ 268/@ (à vista)

RO-Cacoal:

boi a R$ 276/@ (à vista)
vaca a R$ 263/@ (à vista)

RJ-Campos:

boi a R$ 281/@ (prazo)
vaca a R$ 263/@ (prazo)

MA-Açailândia:

boi a R$ 272/@ (à vista)
vaca a R$ 256/@ (à vista)

Compartilhe
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no linkedin
LinkedIn
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email

Publieditorial

2742961

Newsletters DBO

Os destaques do dia da pecuária de corte, pecuária leiteira e agricultura diretamente no seu e-mail.