Carne bovina: demora na reabertura das vendas à China pode ser manobra de renegociação, avaliam economistas

Desde a confirmação de dois casos atípicos de vaca louca, o maior parceiro comercial do Brasil ainda não reestabeleceu os negócios para a proteína bovina

Hoje, quarta-feira, 6/10, o Brasil completa 32 dias sem poder exportar carne bovina para a China. A tese mais provável para esse longo tempo de espera seja uma manobra para o país asiático renegociar o comércio de carne com o Brasil.

É o que avaliam os economistas Thiago Bernardino de Carvalho, pesquisador do Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada (Cepea) e Roberto Dumas, especialista em mercado chinês e professor do Insper, uma instituição sem fins lucrativos de ensino superior e pesquisa reconhecida como referência nas áreas de Administração, Economia, Direito e Engenharia.

Foto: Divulgação

“Qual que é o motivo? Realmente é um estoque maior de carne na China? É uma necessidade de renegociar preço? Se a gente for analisar, a China chegou a pagar em agosto US$ 5,99 por quilo. É o melhor pagador depois da União Europeia, que paga muito bem pela carne, assim como os Estados Unidos”, diz Carvalho.

Carvalho e Dumas foram os convidados do DBO Entrevista, que foi ao ar nessa segunda-feira, 4/10. A tradicional live do Portal DBO discutiu os reflexos dos exatos 30 dias de negociações paralisadas com a China (assista a entrevista, na íntegra, ao final do texto).

Desde a confirmação de dois casos atípicos da doença vaca louca, o maior parceiro comercial do Brasil ainda não reestabeleceu o comércio para a proteína bovina.

Foto: Divulgação/Insper

“Parece que é uma tática de negociação. Alguém pode perguntar: ‘é 100% tática de negociação?’ A resposta é: não sei. O fato é que eles estão com problema com a Evergrande [segunda maior empresa imobiliária da China] e com problema de crise energética, talvez o boi tenha ficado para segundo plano”, explica Dumas.

Exportação recorde

Mesmo com a paralisação das compras por parte dos chineses no mês de setembro passado, os embarques para o país asiático foram os maiores da história: 112,1 mil toneladas, 5,8% a mais sobre o mês de agosto, que era o recorde até então, com 105,9 mil toneladas.

VEJA TAMBÉM | Exportação de carne bovina bate novo recorde em setembro, informa Abrafrigo

Os dados são das plataformas AgroStat, do Ministério da Agricultura, e Comex Stat, do Ministério da Economia.

As exportações de carne bovina para a China passaram a crescer a partir de agosto de 2019. O volume mensal exportado saiu de 29,1 mil toneladas para 39,5 mil toneladas, em setembro de 2019.

“A China se torna o principal parceiro brasileiro nesse setor e somente o ano de 2021 de toda a carne bovina exportada 46,75% para ser exato, quase 47% ou quase cinquenta por 50% foi para China, sem considerar Hong Kong”, diz Carvalho.

O pesquisador do Cepea reitera que é um tanto prejudicial a dependência, seja de um grande comprador como um grande vendedor. Mas essa questão, no agro, não é uma exclusividade do mercado de carnes: a soja passa pelo mesmo risco, pois o grande comprador do grão brasileiro é também a China.

O que resta a fazer?

Para Carvalho, o que resta fazer o pecuarista e a indústria frigorífica é justamente tentar renegociar com os compradores.

Para o pecuarista a situação é ainda mais complicada, pois gado esperando no cocho significa mais despesas.

“Para o produtor sobra essa sobrecarga porque não tem muito o que fazer. Se ele deixar o boi no confinamento é mais custo para ele. Então é tirar ou não tirar o boi”, diz o pesquisador do Cepea.

Só quem tem tiver sua parte de gestão afinada pode fazer, categoricamente, essa resposta. Se o produtor ainda tiver margens, o ideal seria segurar, pois a valorização da arroba pode voltar com o restabelecimento do mercado entre os países; caso contrário, se o boi já estiver dando prejuízos além da conta, o momento é vender.

Produtor x Governo chinês

A síndrome de fragilidade das negociações sobre o mercado de carne bovina pode ter uma raiz estrutural de como são estabelecidas as negociações entre o Brasil e a China, segundo a avaliação de Dumas.

Para ele, na grande maioria das vezes é o produtor por intermédio de entidades que está encabeçando todas as negociações. Ao passo que, do outro lado da mesa de negociação está o governo chinês, que representa os compradores, garantindo-lhes total suporte.

“O produtor brasileiro é um herói porque vai derrubando qualquer problema, qualquer reticência, qualquer mal-entendido político. Esse produtor vai falando, ‘vamos deixar os problemas de lado e vamos fazer negócio’”, diz Dumas.

Confira a entrevista na íntegra:

Compartilhe
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no linkedin
LinkedIn
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email

Boi-safrinha de cara nova

CONFIRA os destaques da edição de outubro da Revista DBO; na capa, as novidades deste versátil sistema de produção

Boi-safrinha de cara nova

CONFIRA os destaques da edição de outubro da Revista DBO; na capa, as novidades deste versátil sistema de produção

Publieditorial

2742961

Newsletters DBO

Os destaques do dia da pecuária de corte, pecuária leiteira e agricultura diretamente no seu e-mail.