Embrapa e Marrocos estreitam cooperação em ações de PD&I relacionadas a fósforo

País africano possui cerca de 70% das reservas mundiais conhecidas do nutriente, e é a maior fornecedora de fósforo para o Brasil - cerca de 40% das importações

Em visita à Embrapa nesta quarta-feira (19/1), o presidente da Office Chérifien des Phosphates (OCP) no Brasil, Olávio Takenaka, afirmou ao presidente da Embrapa, Celso Moretti, o interesse da empresa marroquina em ampliar e diversificar a cooperação entre os dois países em Pesquisa, Desenvolvimento e Inovação (PD&I).

Hoje, a OCP é a empresa que detém o monopólio do fósforo no Marrocos, país que possui cerca de 70% das reservas mundiais conhecidas do nutriente, e é a maior fornecedora de fósforo para o Brasil (cerca de 40% das importações nacionais).

Entretanto, a expectativa é transcender o viés comercial e agregar novos valores à essa parceria, calcada em quatro principais pilares: inovação, educação, customização e sustentabilidade.

Moretti, Takenaka e Rodrigues discutem os pontos de interação na pesquisa com o mineral (Foto: Fernanda Diniz)

Participaram também da reunião o ex-ministro da Agricultura, Roberto Rodrigues, que hoje atua como consultor estratégico da OCP, e os diretores de P&D, Guy de Capdeville, e Inovação e Tecnologia, Adriana Martin.

Um dos objetivos de Takenaka é envolver a Université Mohammed VI Polytechnique (UM6P) na cooperação entre a OCP e a Embrapa, para desenvolvimento de ações conjuntas de PD&I voltadas principalmente a inovações na área de fertilizantes fosfatados, priorizando a produção de bioinsumos à base de fósforo.

“Além disso, pretendemos estimular o intercâmbio de conhecimentos, pesquisadores e alunos dos dois países”, reforçou o presidente da OCP. Dois pesquisadores da Embrapa já estiveram na universidade marroquina antes da pandemia, mas o objetivo é que essa troca de expertises se torne sistêmica.

Existem, pelo menos, três iniciativas em elaboração entre a Embrapa e a OCP, com destaque para bioinsumos, envolvendo, no mínimo, oito UDs – Solos, Milho e Sorgo, Agrobiologia, Agrossilvipastoril, Soja, Cerrados, Meio Ambiente e Trigo.

A empresa marroquina busca, principalmente, ações de inovação para incorporar insumos biológicos em seus fertilizantes fosfatados, com vistas à sustentabilidade. Hoje, conta com 10 filiais de norte a sul do Brasil, com exceção de Minas Gerais.

Takenaka destacou também que pretende contar com a experiência da Embrapa na customização de produtos personalizados a culturas agrícolas e regiões.

O presidente Celso Moretti reforçou que a capilaridade da Empresa, com unidades de pesquisa distribuídas em praticamente todo o Território Nacional, será fundamental para esse processo.

Pela Embrapa, a diretoria de P&D fará a coordenação das ações voltadas à ampliação e fortalecimento da parceria entre as duas instituições.

SAIBA MAIS | DE OLHO NO CAMPO | Construção de fábrica de fertilizantes está a todo vapor no Espírito Santo; vídeo

O presidente da Embrapa destacou que a cooperação internacional será um dos focos da agenda da Empresa em 2022. Já está prevista uma viagem para o Marrocos em breve, quando o presidente vai conhecer a sede da OCP e também a UM6P.

Além da visita in loco, assim que o País abrir as fronteiras, hoje fechadas em decorrência do avanço da variante Ômicron, foram sugeridas reuniões virtuais entre as esquipes de PD&I das três instituições: Embrapa, OCP e UM6P.

Cooperação em prol da África – A OCP, que possui sede em Casablanca, tem hoje filiais em 14 países africanos. Outro foco do estreitamento entre os laços das duas instituições é contribuir para o desenvolvimento da agropecuária do continente.

Segundo Moretti, trata-se de uma prioridade, visto que a África possui 65% das terras agricultáveis do mundo, além de 400 milhões de áreas de savana na parte subsaariana.

Celso Moretti (Foto: Divulgação)

“A Embrapa pode contribuir significativamente para o desenvolvimento agrícola do continente com a sua experiência em agricultura tropical, que resultou no desenvolvimento de variedades adaptadas às condições subtropicais e tropicais, como uva, cevada e o trigo tropical, entre outras”, pontuou.

O presidente destacou também a participação efetiva da Empresa no Plano Nacional de Fertilizantes, do governo federal, que tem como objetivos aumentar a produção e consequente oferta de fertilizantes nacionais (adubos, corretivos, condicionadores), além de reduzir a dependência dos produtos importados e ampliar a competitividade do agro no mercado internacional.

Moretti falou ainda sobre o BiomaPhos, primeiro inoculante desenvolvido com tecnologia nacional para absorção de fósforo, que rendeu R$ 105 milhões ao Brasil em 2020 com aumento de produtividade de soja e milho.

Resultado de parceria público-privada, deverá aumentar a fertilidade de mais de três milhões de hectares de solos brasileiros até a safra 2021/2022.

Compartilhe
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no linkedin
LinkedIn
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email

Revista DBO | Ele quer todo gado na sombra

VEJA os destaques da edição de maio e o Especial Instalações e Equipamentos; na capa, a Agropastoril Campanelli investe em cobertura metálica dos currais e comprova ganho de mais de meia arroba por animal engordado na sombra

Revista DBO | Ele quer todo gado na sombra

VEJA os destaques da edição de maio e o Especial Instalações e Equipamentos; na capa, a Agropastoril Campanelli investe em cobertura metálica dos currais e comprova ganho de mais de meia arroba por animal engordado na sombra

Publieditorial

2742961

Newsletters DBO

Os destaques do dia da pecuária de corte, pecuária leiteira e agricultura diretamente no seu e-mail.