Genética zebuína brasileira põe olhos no gigante mercado asiático

Abertura de comércio com Mianmar pode significar maior representatividade de vendas de sêmen, embriões e gado vivo ao continente, com expectativa de expandir a outros países

O anúncio da abertura de exportação de embriões de bovinos para Mianmar pode representar uma grande oportunidade ao mercado brasileiro de genética zebuína na Ásia. A aprovação foi divulgada nessa quarta-feira (26), pelo Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa).

Segundo Carlos Vivacqua, diretor executivo da Associação Brasileira de Inseminação Artificial (Asbia), isso significa que a região pode se tornar um mercado potencial comprador do Brasil. Atualmente, os maiores importadores de genética zebuína são os países da América Latina, como Colômbia, Paraguai e Bolívia, e países da África, como Uganda e Angola.

“O Brasil é o maior exportador do mundo de genética zebuína de animais adaptados em clima tropical, e com comprovação das melhores e mais modernas técnicas de avaliação e desempenho. Isso nenhum outro país tem, nem mesmo a Índia, que é o berço das raças zebuínas”, diz o zootecnista Carlos Vivacqua, diretor executivo da Associação Brasileira de Inseminação Artificial (Asbia).

A maior fatia do mercado brasileiro de genética zebuína é o de sêmen de corte. Cresceu 47,7%, no fechamento do primeiro semestre desde ano, em comparação com o mesmo período de 2019, segundo a Asbia. O Brasil saiu de uma venda de 66,5 mil doses sêmen de corte para 98,2 mil doses. “A tendência tem sido de crescimento ano a ano”, afirma Vivacqua. Em 2019, o País exportou 485,3 mil doses, 16% a mais sobre 2018, quando foram embarcadas 419 mil doses.

Carlos Vivacqua, Asbia
Carlos Vivacqua, diretor executivo da Asbia. Foto: Asbia

Mais mercados

Além de Mianmar, seu vizinho Laos também deve aprovar importações de material genético. Segundo Vivacqua, a abertura foi adiada por conta da pandemia, mas deve ser aprovada em breve. “Nesse primeiro momento, a abertura é da venda de animais vivos para depois serem exportados embriões e sêmen”. Os dois países vão se somar com Sri Lanka e Vietnã que já compram material genético bovino do País.

Além da exportação de embriões de bovinos, o Mapa anunciou a abertura comercial de embriões equinos para os Estados, além da venda de sebo suíno para nutrição animal na Argentina. A pasta contabiliza 53 ações de aberturas de novos mercados e também a ampliação de produtos para parceiros comerciais já consolidados desde o início do ano, ante 35 do ano passado inteiro.

Compartilhe
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no linkedin
LinkedIn
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email

Sou pecuarista e esse frigorífico é meu

Leia a Revista DBO que encerra o ano de 2020. Ela conta a mais nova façanha da Cooperaliança, a primeira cooperativa a verticalizar a cadeia da carne bovina, além de trazer outras 25 reportagens e artigos.

Sou pecuarista e esse frigorífico é meu

Leia a Revista DBO que encerra o ano de 2020. Ela conta a mais nova façanha da Cooperaliança, a primeira cooperativa a verticalizar a cadeia da carne bovina, além de trazer outras 25 reportagens e artigos.

Publieditorial

2742961

Newsletters DBO

Os destaques do dia da pecuária de corte, pecuária leiteira e agricultura diretamente no seu e-mail.