SC registra aumento nos casos de raiva bovina

Todos os bovinos, suínos e equinos devem ser vacinados obrigatoriamente na região
Foto: Ilustrativa

A Companhia Integrada de Desenvolvimento Agrícola de Santa Catarina (Cidasc) está em força tarefa após a confirmação de dois focos de raiva bovina em Tijucas e Biguaçu, em Santa Catarina. Ao todo, o Estado já registrou oito focos da doença. Em nota, a Cidasc pede a colaboração dos produtores rurais e comunica que todos os bovinos, suínos e equinos devem ser vacinados.

+Alerta sanitário para aumento de focos de raiva no RS

De acordo com a nota divulgada pela Companhia , a vacinação se tornou obrigatória no meio rural de Tijucas, Canelinha, Biguaçu, São João Batista e Governador Celso Ramos. A companhia informou que os produtores rurais devem comprovar a vacinação apresentando a nota fiscal no escritório municipal da Cidasc.

A nota informa que os médicos veterinários da empresa visitarão as propriedades rurais orientando os produtores sobre os riscos da doença e a importância da vacinação. A Cidasc lembra que a raiva é uma doença fatal que acomete os mamíferos, inclusive seres humanos.

Sintomas

De acordo com a Cidasc, a raiva é transmitida por animais domésticos, animais de produção e animais silvestres. A doença ataca o sistema nervoso central, provocando a mudança de comportamento, paralisia e em alguns casos, agressividade.

Geralmente, a transmissão se dá através da mordida por animal infectado, mas o simples contato entre saliva e feridas abertas, mucosas e arranhões também propaga o vírus. O animal doente elimina o vírus da raiva pela saliva. A Cidasc elucida que é por isso que não devemos colocar a mão na boca de cavalos ou bovinos que estejam com dificuldade de locomoção e/ou salivação intensa.

A companhia pede para ser comunicada caso o produtor encontre algum animal com marcas de mordedura causada pelo morcego hematófago, mesmo que não esteja doente.

Morcegos

Os morcegos hematófagos são os principais hospedeiros do vírus da raiva por via aérea na América do Sul. Se encontrá-lo, mantenha sempre distância – mesmo que estejam imóveis e aparentemente mortos. Em caso de acidente com um desses animais, procure um hospital ou posto de saúde mais próximo, relate o ocorrido e exija o tratamento adequado.

“Avise ao médico veterinário da Cidasc se souber de algum local que possa abrigar morcegos hematófagos, tais como, cavernas; grutas; ocos de árvore; túneis; bueiros; passagem sob rodovias, cisternas e poços; casas e construções abandonadas. Nunca tente capturar um morcego, chame um profissional capacitado para removê-lo adequadamente”, ressalta.

Compartilhe
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no linkedin
LinkedIn
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email

Revista DBO: Comida feita em casa

VEJA os destaques da edição de maio e o especial Instalações e Equipamentos; na capa, a alta nos custos da nutrição incentivam pecuaristas para investimentos em fábrica de ração

Revista DBO: Comida feita em casa

VEJA os destaques da edição de maio e o especial Instalações e Equipamentos; na capa, a alta nos custos da nutrição incentivam pecuaristas para investimentos em fábrica de ração

Publieditorial

2742961

Newsletters DBO

Os destaques do dia da pecuária de corte, pecuária leiteira e agricultura diretamente no seu e-mail.