Mercado de reposição registra baixo volume de negócios no início de janeiro

As festas de fim de ano e período de recesso nos primeiros dias de 2022 esfriaram as negociações de bovinos jovens, destaca a IHS Markit

Nesta primeira semana do mês, o mercado brasileiro de animais de reposição ficou praticamente estagnado, apesar das recentes valorizações nos preços do boi gordo.

Na avaliação dos analistas, as festas de fim de ano e período de recesso neste início de 2022 esfriaram as negociações de bovinos jovens.

“Muitos leilões ainda não retornaram”, informa a IHS Markit.

Com os compradores ausentes, as cotações dos animais de reposição ficaram praticamente estáveis na primeira semana do ano, em relação à semana anterior, relata a Scot Consultoria.

Porém, na comparação anual, considerando o valor médio de todos os estados pesquisados, os animais anelorados estão com preços mais altos neste início de 2022, acrescenta a Scot.

Nas contas dos analistas, boi magro, garrote, bezerro de ano e de desmama estão custando 13,1%, 15,9%, 17,4% e 18,8%, respectivamente, a mais para os recriadores/invernistas, em relação aos preços de igual período do ano passado.

De acordo com a Scot, as fêmeas apresentam cenário semelhante: as cotações da vaca magra, novilha, bezerra de ano e de desmama aumentaram 16%, 13,7%, 19,3% e 21,0%, respectivamente, considerando a mesma base de comparação.

No entanto, preveem os analistas, no curto prazo, os negócios no mercado de reposição devem ser retomados, uma vez que a condição dos pastos está melhorando devido às chuvas que ocorrem na maior parte do País – com exceção da região Sul, onde os negócios podem minguar neste começo de ano devido à ausência de precipitações.

Analistas da IHS também acreditam que o setor de reposição deve ganhar maior tração na próxima semana.

De qualquer forma, dizem os especialistas da IHS, os poucos e isolados registros de negociações sugerem um ambiente de preços firmes, já que a oferta de animais comercializados segue bastante enxuta.

FIQUE POR DENTRO | Acompanhe os negócios do mercado de reposição no Jornal de Leilões

Segundo a IHS Markit, o processo de retenção de matrizes e a maior procura por fêmeas contribuiu para uma menor disparidade com relação aos preços oferecidos nos machos.

“Atualmente, os preços de novilhas para corte com bom acabamento chegam a se equiparar aos valores de machos”, informa a IHS.

Giro pelas praças –No interior paulista, bezerros seguem sendo negociados acima de R$ 2.900/cabeça, ao passo que garrotes com até 12 arrobas são precificados acima do valor de R$ 4.200/cab., relata a IHS.

O fluxo de negócios no Mato Grosso do Sul também evoluiu de forma muito lenta neste início do ano. A oferta de animais nos leilões é baixa no Estado, mas a liquidez foi suficiente para sustentar os preços entre todas as categorias, relata a IHS.

No Mato Grosso, os preços chegaram a ensaiar modestas altas para algumas categorias nesta primeira semana do ano. “Destaque para os negócios envolvendo garrotes e novilhas com mais de 10 arrobas”, informa a IHS.

Na demais regiões, as negociações devem ser retomadas na próxima semana, prevê a consultoria.

Compartilhe
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no linkedin
LinkedIn
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
2742961

Newsletters DBO

Os destaques do dia da pecuária de corte, pecuária leiteira e agricultura diretamente no seu e-mail.