Minerva aposta no crescimento do abate de animais de qualidade

Empresa apresentou os dados do segundo ano do Programa Eficiência de Carcaça (PEC) feito em parceria com as empresas Phibro Saúde Animal e Biógenesis Bagó

Tem mais boi de qualidade sendo abatido nos frigoríficos da Minerva Foods este ano. É o que mostra o resultado do Programa de Eficiência de Carcaça (PEC) 2020, apresentado na tarde de quarta-feira (11/11). A iniciativa promove o compartilhamento de informações técnicas e tecnologias, entre os pecuaristas fornecedores do Minerva, para que eles conquistem o animal que o mercado quer: um bovino jovem, com peso, acabamento de gordura e pH de carne adequados.

Neste ano foram abatidos 237.684 animais com tais padrões, sendo 188.589 machos e 49.095 fêmeas, rendendo cerca de cinco milhões de arrobas. Fazendo uma comparação com o total abatido pela Minerva, no ano passado, 1,77 milhão de bovinos, o porcentual de qualidade chega a 13,4%.

“O número é bem significativo e tende a crescer daqui para frente”, afirma o zootecnista Fabiano Tito Rosa, diretor de compra de gado da Minerva.

No ano passado foram abatidos 99.696 bovinos de 232 pecuaristas pelo programa. O número de bovinos representou 5,6% do total abatido pelo Minerva em 2019. Além do crescimento de abate de animais com carcaça de qualidade houve um salto de 144% no número de produtores, chegando a 567 este ano.

Fabiano Tito Rosa, diretor de compra de gado da Minerva Foods

Os pecuaristas que participaram têm propriedades nas regiões onde estão os municípios de Araguaína (TO), José Bonifácio (SP), Mirassol D’oeste (MT) e Palmeiras de Goiás (GO), onde a Minerva possui frigoríficos. O programa que está na segunda edição foi uma iniciativa conjunta da Minerva e da Phibro Saúde Animal. Este ano a Biogénesis Bagó aderiu ao programa.

Bovino de qualidade

O PEC não preconiza raça, sexo do animal ou mesmo sistema de produção. Tudo está valendo para que o produtor entregue o boi ideal ao frigorífico, no final das contas.

“Antigamente, o pessoal falava que qualidade era cobertura de gordura, mas cobertura sozinha não ganha o jogo. Quando olhamos para a exportação, por exemplo, a principal exigência hoje é sobre a idade. O ideal é eu comprar um animal jovem e com uma boa cobertura de gordura, mas se eu tiver de escolher entre um atributo ou outro, fico com o animal jovem”, explica Rosa.

Mas, para garantir que o animal saia da fazenda com o padrão desejado pela indústria há um trabalho de campo que precisa ser bem afinado, feito com os produtores parceiros da empresa. Os pecuaristas podem se inscrever, mas a seleção final fica a cargo dos organizadores do PEC. As vantagens, além de um preço diferenciado por arroba, é o compartilhamento de informações que podem servir para ajustar o manejo na propriedade.

“Com os dados passamos a contribuir, levando tecnologias adequadas ao produtor – como uma suplementação animal –, pois é ela que vai permitir que o produtor produza animais com um acabamento ideal”, diz o administrador de empresas Maurício Graziani, presidente da Phibro Saúde Animal no Brasil.

O administrador de empresas Maurício Graziani, presidente da Phibro Saúde Animal no Brasil

Pecuária top de linha

Do grupo dos 567 produtores que conquistaram boas classificações com seus animais, 12 chegaram à titulação ouro, prata e bronze em cada região, além de um campeão “Grand Prix”, com a melhor pontuação ponderada para o maior número de carcaças avaliadas no PEC. O prêmio máximo foi para o produtor Alaer Luiz Marques, de Palmeiras de Goiás (GO). Como reconhecimento,  está marcado um encontro com todos os vencedores para fevereiro do próximo ano, em local ainda a ser definido pelos organizadores do PEC.

Confira os vencedores por região:

Araguaína (TO)

Ouro: Marcos Ermírio de Moraes

Prata: Arnardino dos Santos Gabriel

Bronze: José Marcos dos Reis

 

Palmeiras de Goiás (GO)

Ouro: Mariana Quinan Bittar

Prata: Thiago Mansur

Bronze: Luis Carvalho Dias Ralston

 

José Bonifácio (SP)

Ouro: Marisa Garcia Barros Liebana

Prata: Ernesto de Paula Guimarães Neto

Bronze: Grupo Agro Pau D’Alho

 

Mirassol D’oeste (MT)

Ouro: Manuel Jorge Ribeiro

Prata: Felix Greselle

Bronze: Wallace Antunes Gonçalves

Compartilhe
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no linkedin
LinkedIn
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email

Sou pecuarista e esse frigorífico é meu

Leia a Revista DBO que encerra o ano de 2020. Ela conta a mais nova façanha da Cooperaliança, a primeira cooperativa a verticalizar a cadeia da carne bovina, além de trazer outras 25 reportagens e artigos.

Sou pecuarista e esse frigorífico é meu

Leia a Revista DBO que encerra o ano de 2020. Ela conta a mais nova façanha da Cooperaliança, a primeira cooperativa a verticalizar a cadeia da carne bovina, além de trazer outras 25 reportagens e artigos.

Publieditorial

2742961

Newsletters DBO

Os destaques do dia da pecuária de corte, pecuária leiteira e agricultura diretamente no seu e-mail.