Minerva Foods lucra R$ 253,4 milhões no 2º trimestre

Fernando Galletti de Queiroz, presidente da empresa, diz que o melhor segundo trimestre da história

A Minerva Foods informou nesta terça-feira, 28 de julho, após o fechamento do mercado, que registrou um lucro líquido de R$ 253,4 milhões no segundo trimestre deste ano, revertendo um prejuízo de R$ 113,3 milhões de igual período de 2019.

O Ebitda (lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização) da Minerva no segundo trimestre do ano alcançou R$ 590,2 milhões, alta de 62,2% sobre os R$ 363,9 milhões de igual intervalo do ano anterior. De acordo com a empresa, esse foi o maior Ebitda já registrado em um segundo trimestre. A margem Ebitda foi de 13,4%, ante 9% no segundo trimestre do ano passado.

Continue a leitura após o anúncio

Segundo a companhia, a receita líquida entre abril e junho somou R$ 4,399 bilhões, uma alta de 9,3% sobre os R$ 4,024 bilhões de igual intervalo em 2019.

No segundo trimestre do ano, a receita bruta atingiu R$ 4,625 bilhões, alta de 8,3% ante igual intervalo de 2019. A divisão Brasil foi responsável por 45% dessa receita, e Athena Foods, por 45% do total. O restante (10%) se refere aos negócios de trading da Minerva.

Endividamento

A dívida líquida foi de R$ 5,414 bilhões, contra R$ 5,400 bilhões no primeiro trimestre. O índice de alavancagem (relação entre dívida líquida e Ebitda) ficou em 2,6 vezes, o menor patamar dos últimos 12 anos, segundo a companhia. Em igual trimestre de 2019, era de 3,8 vezes um ano antes.

Edison Ticle, da Minerva Foods. Foto: divulgação

O fluxo de caixa livre no trimestre, após despesas financeiras, capex e capital de giro, totalizou R$ 376,5 milhões. O diretor financeiro e de relações com investidores da Minerva, Edison Ticle, destaca que a política de hedge foi “bastante eficiente neste momento de alta volatilidade”.

Neste trimestre, se a gente não tivesse protegido o balanço através da nossa política de hedge, a nossa dívida líquida teria aumentado R$ 437 milhões só pela variação cambial“, afirmou.

Efeito Covid

Também na videoconferência, o presidente da Minerva, Fernando Galletti de Queiroz, destacou que a pandemia veio em “ondas” entre países fornecedores e consumidores de proteína animal, com mercados muito mais voláteis, o que exigiu que a companhia se adequasse de forma mais rápida.

Fernando Galleti de Queiroz, CEO da Minerva Foods

Segundo Queiroz, a demanda da China segue firme e o trabalho do Ministério da Agricultura brasileiro tem contribuído para minimizar riscos de exportação relativos à crise do coronavírus.

“Ainda assim, tivemos o melhor segundo trimestre da história”, disse Queiroz.

“Não tivemos nenhum contrato renegociado pela China…a febre suína continua contaminando o rebanho suínos deles e soma-se a isso a redução nas exportações australianas”, pontuou. No mercado interno, Queiroz disse que o food service está em retomada gradual, “mas ainda não chega perto do que era antes da pandemia.”

 

Compartilhe
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no linkedin
LinkedIn
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email

Publieditorial

2742961

Newsletters DBO

Os destaques do dia da pecuária de corte, pecuária leiteira e agricultura diretamente no seu e-mail.

Conteúdo original Revista DBO