Novos surtos de doenças de suínos na China geram dúvidas sobre a recuperação

Ressurgimento de casos levou os produtores a abater mais matrizes reprodutoras antes do Ano Novo Lunar no país asiático

O Ministério da Fazenda da China está promovendo uma recuperação completa no plantel de porcos depois da devastação causada pela peste suína africana no ano passado. No entanto, segundo reportagem desta quarta-feira (24/2), novos surtos do vírus e outras doenças letais dos suínos podem representar riscos para essa perspectiva.

O ressurgimento de casos de peste suína nas províncias mais frias do norte da China levou os agricultores a abater mais de suas matrizes reprodutoras antes do Ano Novo Lunar, disse Lin Guofa, analista sênior da consultoria Bric Agriculture Group. A carne de porco é a proteína favorita da China e o consumo costuma disparar durante o período de férias.

Outros vírus, como a febre aftosa e a diarreia epidêmica suína, também afetaram o rebanho devido ao inverno mais rigoroso do que o normal, disse Lin. “A recuperação de rebanhos de suínos em algumas regiões pode ser atrasada, especialmente em Shandong e partes de Henan e Hebei”, disse ele.

Isso significa que até 15% do rebanho chinês de suínos pode ter sido perdido devido a doenças durante o inverno, e sua total reabilitação para os níveis de pré-peste suína é mais provável no segundo semestre de 2022, acrescentou Wang Zhong, consultor-chefe na Systematic, Strategic & Soft Consulting Co. Os surtos incluíram novas variantes da peste suína que se mostraram menos fáceis de detectar e mais difíceis de controlar, disse Zhong.

Estabilizar a população de suínos e reduzir a volatilidade do mercado tem sido uma alta prioridade para os formuladores de políticas desde que a peste suína atingiu o rebanho de suínos da China, o maior do mundo, em 2018. Não há vacina oficialmente sancionada e a epidemia fez com que o número de porcos caísse quase pela metade, estimulando uma alta nas importações e nos preços de carne suína.

Os mercados agrícolas globais ficaram ainda mais turbulentos nos últimos meses com a iniciativa do governo chinês de apresentar uma rápida recuperação nos números, o que levou a uma enorme escassez de grãos para ração e esvaziou silos em lugares tão distantes como a América do Norte.

A população de suínos da China havia retornado a 90% de seus níveis normais no final de novembro, de acordo com o Ministério da Agricultura. O ministério não respondeu a um fax pedindo comentários sobre suas últimas previsões.

Esforços para acelerar a liberação de carnes importadas mantidas em portos e frigoríficos, estimados em cerca de 1 milhão de toneladas, devem ajudar a conter os preços da carne suína, disse Lin do Bric. Os contratos futuros de suínos vivos na Dalian Commodity Exchange, por sua vez, atingiram seu maior fechamento na segunda-feira desde que o contrato estreou no mês passado. (Adaptação do texto da Bloomberg)

Compartilhe
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no linkedin
LinkedIn
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email

As apostas são altas para o futuro da produção de carne no Brasil. Veja o que dizem as lideranças ouvidas para o Especial Perspectivas 2021 do Anuário DBO. Assista:

Publieditorial

2742961

Newsletters DBO

Os destaques do dia da pecuária de corte, pecuária leiteira e agricultura diretamente no seu e-mail.