NWF amplia sua atuação para o Cerrado

A National Wildlife Federation (NWF) espera levar as lições aprendidas na Amazônia para o Cerrado

A certeza do potencial brasileiro para suprir parte da demanda global por alimentos, especialmente no segmento da carne, de forma sustentável e preservando o meio ambiente, foi uma das razões que levaram a National Wildlife Federation (NWF) a ampliar sua atuação para Cerrado.

“Estamos ampliando a nossa atuação de parcerias com o setor privado para o desenvolvimento de soluções para a cadeia da carne bovina no Brasil para esse bioma”, explica Francisco Beduschi Neto, que está há quatro na NWF e que agora passa a ser o Líder da NWF no Brasil.

De acordo com Beduschi, a NWF continuará a engajar frigoríficos e outros atores para apoiar as questões relativas à necessidade de melhoria contínua e atendimento das exigências dos mercados investidor, consumidor e varejista.

Foto: Divulgação

“Especificamente no relacionamento com o mercado, intensificaremos nossos trabalhos junto aos frigoríficos, incentivando parcerias com traders e varejo no Brasil e nos países consumidores da carne e do couro brasileiros para divulgar e efetivar o potencial do país para conciliar produção e conservação, uma vez que nosso objetivo é ter negócios cada vez mais sustentáveis e em equilíbrio nos seus três pilares: econômico, social e ambiental”, acrescentou.

O apoio local de técnicos é fundamental para alcançar o objetivo de estabelecer uma cadeia da carne e do couro bovinos sustentável e desvinculada do desmatamento no Brasil.

Por isso, a NWF trabalha com base em pesquisa e dados científicos e conta com uma equipe de especialistas: a engenheira florestal Katiuscia Moreira, consultora técnica e especialista em Sistemas de Informação Geográfica (SIG) e de Monitoramento, e do zootecnista Rodrigo Dias Lopes, especialista em Agronegócio e Pecuária Sustentável.

A NWF espera levar as lições aprendidas na Amazônia para o Cerrado. A organização desenvolve ferramentas para melhorar a rastreabilidade e o gerenciamento da cadeia produtiva, impulsionando práticas sustentáveis e economicamente viáveis.

SAIBA MAIS | Revista DBO em Foco | Boi sustentável em alta no Pantanal

Nesse sentido, Moreira atua no suporte de novas abordagens técnicas, ferramentas e soluções para o agronegócio para apoiar e promover uma cadeia de suprimentos sustentável. Seu trabalho envolve o acompanhamento do desenvolvimento técnico, calibração e implementação de ferramentas para promover o apoio aos esforços de múltiplas partes interessadas.

Já Lopes responde pelo engajamento de frigoríficos, apoio nas implementações de práticas sustentáveis na cadeia de fornecimento dos frigoríficos parceiros, e também no engajamento de produtores na adoção de melhores práticas, tanto na Amazônia como no Cerrado.

O objetivo é contribuir para a implantação de planos de melhoria contínua dos sistemas de monitoramento dos frigoríficos, a fim de atender compromissos e as demandas dos mercados compradores da carne brasileira, nacional e internacional.

Fonte: Ascom NWF

Compartilhe
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no linkedin
LinkedIn
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email

No embalo do mercado

Confira os destaques da edição de dezembro; na capa, fazenda da BRPec Agropecuária, com mais de 130 mil ha no MS, trocou o ciclo completo pela cria, mas mantém estrutura para virar a chave se o cenário mudar

No embalo do mercado

Confira os destaques da edição de dezembro; na capa, fazenda da BRPec Agropecuária, com mais de 130 mil ha no MS, trocou o ciclo completo pela cria, mas mantém estrutura para virar a chave se o cenário mudar

Publieditorial

2742961

Newsletters DBO

Os destaques do dia da pecuária de corte, pecuária leiteira e agricultura diretamente no seu e-mail.

Relacionado