“Pasto e gestão nas contas são diferenciais para os ganhos em confinamentos”, orienta consultora

Lygia Pimentel, diretora executiva da Agrifatto, acrescenta que, além do pasto, se o produtor apostar fortemente em quatro quesitos básicos na gestão da propriedade, o resultado pode ser até melhor

Não é novidade para ninguém: está tudo caro. Os preços dos animais para reposição seguem em alta e a arroba do boi está valorizada – assim como os insumos para produzi-la, como o milho e o farelo de soja, em uma época de escalada de preços sem precedentes. Os produtos são essenciais para a produção intensiva em confinamentos, no entanto, há espaço para ficar no azul.

LEIA TAMBÉM | Revista DBO: Período de transição exige planejamento

“A situação é bastante interessante para quem está fazendo engorda intensiva a pasto ou semiconfinamento”, diz Lygia Pimentel, médica veterinária e diretora executiva da consultoria Agrifatto, de São Paulo (SP).

Segundo a especialista, os produtores com boas condições de pasto estão saindo na frente no quesito alimentação, e, por isso, estão conseguindo margens melhores do negócio. Para ela, a atividade pode gerar boas margens. A prova disso, segundo ela, é a percepção de que há uma entrada de investidores na pecuária, e com olhos voltados especialmente para a exportação.

Foto: Divulgação

“Esses investidores, que estão querendo engordar animais em parceria ou começar novas operações, estão enxergando um futuro interessante”, diz Lygia.

Para a consultora, além do pasto, se o produtor apostar fortemente em quatro quesitos básicos na gestão da propriedade, o resultado pode ser até melhor.

  1. Comprar muito bem os animais de reposição;
  2. Se possível, apostar em ganhos de produtividade, para diluir o custo fixo da propriedade;
  3. Estratégia de compras de insumos em maior quantidade, para obter mais descontos;
  4. Lançar mão de seguros de preços de insumos através do mercado futuro.

“Lá atrás, ninguém imaginava que o milho pudesse chegar a casa dos R$ 100 a saca, mas estamos com essa realidade bem próxima. Quando o grão estava cotado em R$ 80, recomendei sua compra, mas ouvi muitos produtores arredios em não pagar por esse preço. Agora, ao que tudo indica, o grão não parece ter limites de preço, por isso é uma grande vantagem travar o preço do grão. Em muitos casos, é até melhor travar o milho do que o preço do boi”, diz Lygia.

Por outro lado, o caminho da balança talvez seja uma redução momentânea de suas operações. Essa é a estratégia do pecuarista mato-grossense Francisco Camacho, proprietário da LFPEC, que possui capacidade estática de 100 mil animais com operações em Mato Grosso, Bahia e São Paulo.

O ano passado foi excepcional para a empresa, que atingiu a marca histórica de 500 mil animais abatidos. Este ano, porém, a tendência é reduzir o abate em 10%, para 450 mil animais, por causa da alta e escassez de insumos para a alimentação do gado.

“Para a operação de São Paulo, os insumos já estão todos comprados, mas para a operação de Mato Grosso, 60% comprado, por isso vamos diminuir um pouco o número de animais”, explica Camacho.

O empresário prevê um segundo semestre positivo para quem tem alimentação para o gado nos estoques. Pois, o que realmente vai faltar é o alimento. De acordo com ele, é esperada um grande volume de animais de reposição para o segundo semestre deste ano.

“O problema do segundo semestre para o confinamento vai ser o insumo para ração, tanto em termos de custo, como de disponibilidade”, diz Camacho.

Outro problema observado pelo produtor é o encarecimento do capital de giro. As operações praticamente dobraram, e isso leva a uso de mais capital. E em épocas de crise, por mais que a atividade seja uma das mais vantajosas comercialmente, está pesando o custo do dinheiro.

Unidade de confinamento da LFPEC Pecuária Profissional, no município de Diamantino, no Mato Grosso 

Segundo uma pesquisa mensal da Associação Nacional de Executivos de Finanças, Administração e Contabilidade (Anefac), a taxa média de juros sobre capital de giro para empresas, que chegou a cair no decorrer de 2020, voltou a crescer, impulsionada pela Selic, a taxa básica de juros da economia brasileira. Em outubro do ano passado, a taxa estava em 0,99% ao mês, agora em março, a média chegou a 1,11% ao mês, segundo a Anefac.

Compartilhe
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no linkedin
LinkedIn
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email

Boi-safrinha de cara nova

CONFIRA os destaques da edição de outubro da Revista DBO; na capa, as novidades deste versátil sistema de produção

Boi-safrinha de cara nova

CONFIRA os destaques da edição de outubro da Revista DBO; na capa, as novidades deste versátil sistema de produção

Publieditorial

2742961

Newsletters DBO

Os destaques do dia da pecuária de corte, pecuária leiteira e agricultura diretamente no seu e-mail.