Cotações elevadas da reposição e dos grãos desafiam engorda de boi no Brasil, avalia o Ipea

Em boletim, o Ipea destaca que o menor volume de abate já observado ao longo de 2020 deve seguir no primeiro semestre de 2021
Foto: DBO

O comportamento dos preços dos animais de reposição e também dos grãos nos primeiros meses de 2021 indica que este ano deve ser novamente desafiador para quem trabalha com a engorda de boi.

VEJA TAMBÉM | Vender o boi magro e o milho ou seguir firme no confinamento?

A análise faz parte da nota de conjuntura Mercados e Preços Agropecuários, divulgada ontem (29/4) pelo Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea), em parceria com o Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada (Cepea/Esalq/USP) e com a Companhia Nacional de Abastecimento (Conab).

Segundo o boletim, o menor volume de abate já observado ao longo de 2020 deve seguir no primeiro semestre de 2021, mas, com a maior retenção de fêmeas para produção, a oferta pode começar a aumentar, especialmente a partir do final da safra, com o início do desmame. Desta forma, o primeiro semestre ainda pode registrar baixa disponibilidade de animais para abate.

SAIBA MAIS | Pecuaristas de Mato Grosso encabeçam projeto inédito por pagamento por serviços ambientais no País

Já no segundo semestre, o confinamento de animais dependerá dos preços de reposição e dos insumos, que já começaram 2021 em patamares elevados.

“Para buscar uma margem positiva, os pecuaristas precisam, além de avaliar com cautela o movimento dos valores dos insumos, usar de modo eficaz ferramentas de gestão de seus custos de produção”, informa o boletim.

Outro desafio apontado pela instituição refere-se à demanda doméstica por carne bovina. De acordo com o Ipea, os frigoríficos já alegavam no início do ano dificuldades no repasse das valorizações da arroba do animal à proteína negociada no mercado atacadista, o que pode levar a alguma pressão sobre os valores da arroba.

Produção

Apesar do baixo volume de abate e de uma sinalização clara de que o Brasil ainda trabalha na reposição do rebanho, o Departamento de Agricultura dos Estados Unidos (USDA) estima uma alta de 7% nas exportações brasileiras até dezembro. A projeção reforça a confiança da instituição americana na capacidade exportadora brasileira.

Compartilhe
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no linkedin
LinkedIn
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email

Publieditorial

2742961

Newsletters DBO

Os destaques do dia da pecuária de corte, pecuária leiteira e agricultura diretamente no seu e-mail.