Produção paulista de milho em 2022 deve crescer 30%, estima IEA-Apta

A produtividade média das lavouras deverá alcançar 5,9 mil kg por hectare, índice 21,4% maior do que o rendimento de 2021

A produção paulista de milho deve atingir 4,8 milhões de toneladas em 2022, volume 30,1% superior em comparação com o ano passado. A produtividade média das lavouras deverá alcançar 5,9 mil kg por hectare, índice 21,4% maior do que o rendimento de 2021, conforme dados do Instituto de Economia Agrícola (IEA-Apta), da Secretaria de Agricultura e Abastecimento do Estado de São Paulo, antecipados ao Broadcast Agro, sistema de notícias em tempo real do Grupo Estado.

O pesquisador do IEA, Maximiliano Miura, disse em comunicado que a melhora da produção paulista de milho se deve ao desempenho da segunda safra, já que a semeadura realizada até a primeira quinzena em janeiro e as chuvas moderadas na época do desenvolvimento do cereal provocaram impacto positivo, o que permitirá garantir o suprimento para o sistema agroindustrial do milho.

“No levantamento da previsão e estimativas de safras agrícolas do Estado de São Paulo, em abril, a produção paulista do milho segunda safra (estimada em 2,6 milhões de toneladas) já registrava aumento de 64,0% em relação ao ano anterior”, afirmou.

VEJA TAMBÉM | Mercado Pecuário | Alta de insumos impacta na produção intensiva de carne bovina

Com o resultado do desempenho da primeira e da segunda safras, acrescido do estoque de milho ainda existente (530.900 toneladas), estima-se que o volume de milho disponível para abastecer o mercado doméstico esteja na ordem de 5,3 milhões de toneladas, o que representa aumento de 24,9% em relação ao ano passado.

“Com essa maior disponibilidade interna, estima-se que São Paulo fique menos dependente das aquisições provenientes de outros Estados e que, portanto, as importações interestaduais recuem 21,2%”, explicou o pesquisador do IEA.

De acordo com Miura, é possível notar a redução das importações paulistas de milho por causa principalmente do bom desempenho da segunda safra e da estabilidade da demanda (8,42 milhões de toneladas), apesar de os estoques iniciais estarem mais baixos em 2022 do que no ano passado.

Compartilhe
WhatsApp
Facebook
Twitter
LinkedIn
Telegram
Email

Revista DBO | Nova revolução no cocho

VEJA os destaques da edição de agosto e o Especial Confinamento; na capa, com quase nada ou zero volumoso, a chamada ‘dieta fast’ ganha os cochos, melhora o desempenho dos animais e simplifica as operações.

Revista DBO | Nova revolução no cocho

VEJA os destaques da edição de agosto e o Especial Confinamento; na capa, com quase nada ou zero volumoso, a chamada ‘dieta fast’ ganha os cochos, melhora o desempenho dos animais e simplifica as operações.

Publieditorial

2742961

Newsletters DBO

Os destaques do dia da pecuária de corte, pecuária leiteira e agricultura diretamente no seu e-mail.