Proposta da Câmara para a reforma tributária elevaria em 6 vezes o custo da pecuária em Mato Grosso

Confira os detalhes da Proposta de Emenda à Constituição (PEC) 45/2019, defendida pela Câmara dos Deputados

A partir desta quinta-feira (10/9), o Portal DBO passa a detalhar cada uma das três propostas que podem alterar o sistema tributário brasileiro. O projeto defendido pela Câmara dos Deputados, a Proposta de Emenda à Constituição (PEC) 45/2019, foi a primeira a ser apresentada oficialmente ao País. A Câmara deu início à tramitação do texto no dia 3 de abril de 2019. Se aprovada como está, a proposta elevaria em 6 vezes o custo total da pecuária em Mato Grosso e liquidaria com os rendimentos da cria, na Bahia.

Os reflexos vêm do fim dos benefícios fiscais do Imposto sobre Operações relativas à Circulação de Mercadorias e Prestação de Serviços de Transporte Interestadual e Intermunicipal e de Comunicação (ICMS) e a elevação da carga de impostos.

A extinção dos benefícios do ICMS ocorre com o próprio fim proposto para esse imposto. Este tributo estadual, três federais (IPI, PIS e Cofins), e um municipal (ISS), seriam substituídos por apenas um tributo na PEC 45/2019, o Imposto sobre Operações com Bens e Serviços (IBS), que passa a ter uma alíquota única de 25%.

O IBS é semelhante ao europeu Imposto sobre Valor Agregado (IVA). O texto base da proposta foi redigido pelo economista paulista Bernard Appy, diretor do Centro de Cidadania Fiscal (CCiF), uma organização voltada a análises econômicas que buscam a melhora na gestão pública.

Fábio Calcini, advogado tributarista e professor da FGV

“A reforma da Câmara extingue o tratamento ao agro que possui a função de produção de alimentos. Há estudos que, inclusive, apontam o aumento da carga tributária no agro”, diz o advogado tributarista Fábio Pallaretti Calcini, sócio do escritório Brasil Salomão e Matthes Advocacia e professor de Direito da Fundação Getúlio Vargas, em São Paulo (SP).

Mas, segundo Calcini, há saída para não prejudicar o agronegócio. O artifício é criar a flexibilização de incentivos para o setor, pois é uma das áreas estratégicas para o País e um dos principais motores da economia, representando 21,4% do PIB brasileiro no ano passado. “O que se faz com um setor tão importante como esse? O correto é incentivar e não onerar a produção”, diz o professor da FGV.

A PEC 45/2019

O que muda?

* Substitui 5 impostos: 3 federais (IPI, PIS e Cofins), 1 estadual (ICMS) e 1 municipal (ISS)

* O IBS terá uma alíquota única: 25%.

* Sem benefícios fiscais

O que continua?

* Mantém Autonomia de Estados e municípios

* Mantém a atual carga tributária

Confira o que dizem dois estudos realizados com produtos do agronegócio

Um estudo do Instituto Mato Grossense de Economia Agropecuária (Imea) fez uma simulação de quanto seria o impacto na pecuária no Estado, o maior produtor de bovinos do País. O aumento do custo total, por arroba produzida no sistema de recria e engorda, é de 15,22%. O custo saltaria de R$ 107,42, por arroba produzida, para R$ 133,01. O maior peso estará na aquisição de animais. Se atualmente o pecuarista mato-grossense têm um custo médio de R$ 78,85 na compra de animais para produzir uma arroba, com a PEC 45 ele passa a ter um custo médio de R$ 98,57. A elevação seria de 11,73%.

A consequência desse aumento de 15,22% poderia elevar em até seis vezes quando se multiplica o custo por arroba produzida pelo total de bovinos abatidos no Estado, ou enviados para outros Estados para abate. O valor atual é de R$ 301,3 milhões e passaria para R$ 1,83 bilhão. São R$ 1,53 bilhão a mais por conta da PEC 45.

Mas há cenários mais drásticos de aumento de custos, como na Bahia, segundo um estudo da Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA). No município de Wanderley, a recria que já possui um custo alto de produção de 22,5% passará a ser de 23,6%. O aumento foi de 1,1%. É o maior custo de produção identificado no País, segundo o estudo da CNA. Já sobre a queda de rentabilidade, a pecuária baiana é novamente atingida. A CNA identificou que no município de Itamarajú, o produtor de cria sofreria uma queda de rentabilidade em sua atividade de 314,5%.

Confira o ranking das atividades com o custo de produção mais elevado e o aumento incorporado pela PEC 45:

1º. Pecuária de corte (recria), em Wanderley (BA), era de 22,5% e passaria a 23,6% (+1,1%)

2º. Cultivo de soja e milho, em Sorriso (MT), era 11,3% e passaria a 19,4% (+8,1%)

3º. Cultivo de soja e milho, em Cascavel (PR), era de 15,8% e passaria a 17,3% (+1,5%)

4º. Cultivo de arroz, em Uruguaiana (RS), era de 11,7% e passaria a 14,0% (+2,3%)

5º. Pecuária leiteira, em Patos de Minas (MG), era de 10,4% e passaria a 11,8% (+1,4%)

 

Ranking das atividades com maior queda da rentabilidade:

1º. Cana-de-açúcar, em Ituverava (SP), queda de 366,3%

2º. Pecuária de corte (cria), em Itamarajú (BA), queda de 314,5%

3º. Café, em Guaxupé (MG), queda de 253,7%

4º. Soja e milho, em Cascavel (PR), queda de 120,9%

5º. Pecuária leiteira, em Patos de Minas (MG), queda de 100,0%

 

Fique atento: 

Confira nesta sexta-feira (11/9), reportagem sobre a proposta de reforma feita pelo Senado Federal e na segunda-feira (14/9), reportagem sobre a proposta de reforma do governo federal.

Leia também: 

Marque na agenda: 

DBO Entrevista | 15 de setembro – 18h30
Simplificar sim, aumentar não: a reforma tributária e seus impactos na agropecuária

Compartilhe
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no linkedin
LinkedIn
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email

Publieditorial

2742961

Newsletters DBO

Os destaques do dia da pecuária de corte, pecuária leiteira e agricultura diretamente no seu e-mail.