Qualidade da água é fator determinante para a lucratividade na pecuária

Experimento revela que, após a distância de 500 metros da fonte de água, a cada 1 km de acréscimo na caminhada, os animais podem deixar de ganhar, diariamente, até 60g por km em campos ondulados
Foto: Ilustração/Internet.

Elemento essencial para a vida dos seres vivos, a água é um componente muito importante para o bom desempenho e para a saúde do rebanho, por isso deve ser um ponto de atenção para os pecuaristas, tanto em sistemas a pasto quanto em confinamento.

O bovino pode perder 100% de sua gordura corporal ou até 50% de seu tecido muscular, que ainda se mantém vivo, mas se perder de 10 a 12% do volume de água do corpo pode chegar a óbito”, afirma Bruno Marson, zootecnista e supervisor técnico da Connan.

Um experimento mostrou que, após a distância de 500 metros da fonte de água, a cada 1 km de acréscimo na caminhada, os animais podem deixar de ganhar, diariamente, 40g/km em terrenos planos; 53 g/km em espaços com leves ondulações e até 60g/km em campos ondulados. “Essas perdas impactam diretamente os resultados dos índices de ganho médio diário do rebanho e, consequentemente, o lucro final da propriedade”, diz o zootecnista.

A condição da água pode afetar negativamente o crescimento, a reprodução ou a produtividade dos animais. Além disso, quando é disponibilizado ao animal duas opções de fonte de água, um lago e um bebedouro, o bovino opta pela segunda opção, por apresentar melhor qualidade.

Os lagos, em sua maioria, apresentam índices consideráveis de contaminação por fezes de animais, que são sentidos pelo rebanho, que passa a reduzir o consumo ou recusar a água”, afirma Marson.

Segundo o zootecnista, o bovino consegue perceber a contaminação da água em percentuais a partir de 0,05 mg/l, quando passa a buscar outra fonte de água. A partir de 2,5 mg/l, já pode-se perceber uma redução no consumo de água e, com índices acima de 5 mg/l, o animal passa a consumir menos matéria seca, ou seja, pasto, suplemento e ração.

Outro dado de importância é a distância das fontes de água em áreas de pastagens. “Quando o animal caminha demais para encontrar água de qualidade tende a apresentar um desempenho menor”, diz Marson.

A dica do zootecnista é instalar diversos bebedouros espalhados pela propriedade, de acordo com o sistema de produção e a viabilidade. Além disso, Marson recomenda que se mantenha uma frequência de limpeza bem estabelecida.

Em um sistema de confinamento, por exemplo, em que o bebedouro é a única fonte de água, essa limpeza deve ser feita ao menos duas vezes por semana, já que os animais possuem uma dieta mais farelada e a lotação é maior.

A água é um fator produtivo, assim como a genética, a nutrição e o manejo de pastagem e, por isso, interfere em muito nos resultados finais da propriedade. Por essa razão é muito importante estar atento na qualidade da água oferecida ao rebanho, para que o animal se desenvolva bem e a lucratividade da fazenda seja garantida”, finaliza Marson.

Fonte: Ascom

Compartilhe
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no linkedin
LinkedIn
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email

Sou pecuarista e esse frigorífico é meu

Leia a Revista DBO que encerra o ano de 2020. Ela conta a mais nova façanha da Cooperaliança, a primeira cooperativa a verticalizar a cadeia da carne bovina, além de trazer outras 25 reportagens e artigos.

Sou pecuarista e esse frigorífico é meu

Leia a Revista DBO que encerra o ano de 2020. Ela conta a mais nova façanha da Cooperaliança, a primeira cooperativa a verticalizar a cadeia da carne bovina, além de trazer outras 25 reportagens e artigos.

Publieditorial

2742961

Newsletters DBO

Os destaques do dia da pecuária de corte, pecuária leiteira e agricultura diretamente no seu e-mail.