Reservatórios de hidrelétricas do subsistema Sudeste/Centro-Oeste caem para 29,8%

Para especialistas, o problema deve se agravar até novembro, quando recomeça o período chuvoso, e se as chuvas ficarem abaixo da média histórica, será difícil de escapar de um racionamento em 2022

Sem chuvas nos últimos dias e sem previsão de melhora nos próximos meses, os reservatórios das usinas hidrelétricas do subsistema Sudeste/Centro-Oeste (SE/CO) caíram em média na quarta-feira, 23, para abaixo do patamar de 30% que mantinham desde o início do mês, chegando a 29,8%, segundo dados do Operador Nacional do Sistema (ONS).

Em contraste, os reservatórios do Norte do País estavam 83,3% cheios; do Sul, em 61,5%, e 59,8% do Nordeste (NE). Na média, o Sistema Interligado Nacional (SIN) registrava 40,1% de armazenagem de energia nas hidrelétricas.

O subsistema SE/CO representa 70,1% do total de reserva energética do setor, seguido pelo subsistema NE, com 17,8%; subsistema Sul, com 6,9%; e 5,2% do Norte, segundo cartilha sobre a situação hídrica do País publicada pela Empresa de Pesquisa Energética (EPE).

“Após um período úmido com poucas chuvas, estamos no início da estação seca e os reservatórios estão com níveis de armazenamento baixos, o que acende um sinal de alerta, visto que a água armazenada precisará ser utilizada tanto para a geração de energia quanto pelos demais setores usuários. Sendo assim, a expectativa é de redução dos níveis dos reservatórios até novembro, quando se espera o início do próximo período úmido”, explica a EPE na Cartilha.

Para especialistas, o problema deve se agravar até novembro, quando recomeça o período chuvoso, e se as chuvas ficarem abaixo da média histórica, como vem acontecendo nos últimos sete anos, será difícil de escapar de um racionamento em 2022, ano de eleições presidenciais.

SAIBA MAIS:
+Perdas causadas pelo clima seco reduzem estimativa de milho segunda safra a 65,3 milhões de toneladas

+RÁDIO ONLINE DBO 🎧 “Seca interferiu nos negócios da reposição”, diz leiloeiro rural

As contribuições de energia de grandes hidrelétricas do Norte do País, como Belo Monte, Santo Antônio e Jirau, que são a fio d’água, aos poucos também, vão deixar de existir com a falta de chuvas, o que deve agravar ainda mais a situação e exigir o acionamento de mais térmicas para garantir o abastecimento.

No primeiro trimestre, por exemplo, Belo Monte chegou a gerar sua capacidade máxima de 11 mil megawatts-hora, ou cerca de 15% da geração total do País, ajudando o sistema, o que não se repete durante o período seco (abril a novembro).

Compartilhe
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no linkedin
LinkedIn
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email

A aposta do Grupo Webler na cria

VEJA os destaques da edição de julho da Revista DBO; na capa, o Grupo Webler, forte em agricultura e pecuária, está dobrando a aposta na intensificação da cria em sua propriedade em Sapezal, no noroeste de Mato Grosso

A aposta do Grupo Webler na cria

VEJA os destaques da edição de julho da Revista DBO; na capa, o Grupo Webler, forte em agricultura e pecuária, está dobrando a aposta na intensificação da cria em sua propriedade em Sapezal, no noroeste de Mato Grosso

Publieditorial

Aprenda a produzir mais e melhor

O avanço da profissionalização na pecuária passa, necessariamente, pelo aprimoramento na gestão de equipes, assim como os resultados positivos

Aprenda a produzir mais e melhor

O avanço da profissionalização na pecuária passa, necessariamente, pelo aprimoramento na gestão de equipes, assim como os resultados positivos

2742961

Newsletters DBO

Os destaques do dia da pecuária de corte, pecuária leiteira e agricultura diretamente no seu e-mail.