Respostas da agropecuária brasileira em tempo de Biden

Por Francisco Beduschi Neto,. engenheiro agrônomo e especialista em Agronegócio Sustentável da NWF - National Wildlife Federation

Por Francisco Beduschi Neto

Com a posse do novo presidente americano, Joe Biden, as questões ambientais voltam a ser prioridade na maior economia do mundo. Biden já começa a cumprir algumas das propostas de campanha, por exemplo, voltou ao acordo de Paris e começou a cobrar a conservação das florestas. Mas, mais interessante para nós é a proposta de um aporte de US$20 bilhões para apoiar ações neste sentido. Partindo do pressuposto que essas três propostas se concretizem, como a pecuária nacional pode se beneficiar disso?

Para conseguir se beneficiar é necessário analisar três fatores do mercado: Oferta; Demanda; e Operação. Na Oferta, as projeções do Ministério da Agricultura 2020/2030 mostram um aumento da produção de 16% neste período. Vale ressaltar que é esperado que esse aumento se dê por melhoria da produtividade, por exemplo: redução de idade e aumento do peso de abate. Na Demanda, o mesmo estudo mostra que o consumo doméstico deverá crescer apenas 10%, então será necessário expandir mais a participação no mercado internacional para manter equilibrados os dois lados da balança.

De acordo com a Associação Brasileira das Indústrias Exportadoras de Carnes (ABIEC), atualmente a China (Continente + Hong Kong) compra 62% do volume exportado pelo Brasil. No acumulado de janeiro a novembro a China comprou 1.143 mil toneladas, seguida por Chile (106mil ton.), Egito (88mil ton.) e EUA (52mil ton.). Por outro lado, a China que viveu a crise da Peste Suína Africana em 2019, e reduziu a produção de carne suína em 90%, está revertendo este quadro. Segundo o Outlook 2020-2029 da FAO, o rebanho deve voltar aos patamares anteriores até o final de 2022 e o abate deve atingir a quantidade de 2018 já em 2025. Assim é razoável admitir que o país se mantenha forte comprador na primeira metade dessa década, mas com declínio gradual de demanda na segunda metade.

Num cenário de vendas concentradas e retomada da produção de bens substitutos no mesmo mercado, será necessário diversificar os compradores para seguir expandindo. Para isso os quesitos socioambientais serão fundamentais e é neste ponto que entra a Operação pois precisaremos responder onde e como o boi está sendo criado, e temos boas notícias neste sentido. Para citar apenas dois exemplos: no Pará produtores e frigoríficos se uniram e estão desenvolvendo uma plataforma online para ajudar àqueles que desejam regularizar pendências socioambientais; no Mato Grosso a Liga do Araguaia, um movimento de produtores rurais, promove a adoção de práticas sustentáveis na pecuária.

Ao dar escala a esses e outros bons exemplos, dar transparência aos resultados, e comunicar progresso, poderemos acessar mais e novos mercados. Será possível também acessar mais recursos, além dos US$20 bilhões de Biden, poderemos retomar os aportes no Fundo Amazônia para projetos de pagamento por serviços ambientais. Vale lembrar que dia 14/01 foi publicada a lei da Política Nacional de Pagamento por Serviços Ambientais, ferramenta essencial para fazer este dinheiro chegar às mãos dos produtores.

Assim, temos os meios – a floresta em pé, a produção com qualidade, e as ferramentas institucionais para vender mais e ainda trazer mais recursos para o Brasil. Mas, para ter direito a esses benefícios primeiro precisamos cumprir nossas obrigações, como por exemplo, finalizar a implementação do Código Florestal onde cada um dos dois lados tem um papel a cumprir.

A conclusão é que para acessar mais e novos recursos e seguir aumentando a participação num mercado global que prioriza cada vez mais a sustentabilidade e a transparência, a pecuária brasileira precisa: dar escala aos bons exemplos; dar transparência aos resultados; e manter boa comunicação com o mercado. Será por meio desse tripé de ações que poderemos seguir expandindo a produção nacional.

Francisco Beduschi Neto é Agrônomo, Especialista em Agronegócio Sustentável da NWF – National Wildlife Federation

2742961

Os destaques do dia da pecuária de corte, pecuária leiteira e agricultura diretamente no seu e-mail.

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no linkedin
LinkedIn
Compartilhar no pinterest
Pinterest
Compartilhar no pocket
Pocket
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no skype
Skype
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no linkedin
LinkedIn
Compartilhar no pinterest
Pinterest
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no pocket
Pocket

Sobre o autor

Notícias

Cresce interesse por novas tecnologias

Pesquisa mostra que 84% dos pecuaristas já usam alguma ferramenta digital ou de automação para gerenciamento das propriedades

Para continuar lendo é preciso ser assinante.

Você merece este e todo o rico conteúdo da Revista DBO.
Escolha agora o plano de assinatura que mais lhe convém.

Invista na melhor informação. Uma única dica que você aproveite pagará com folga o valor da assinatura.

Se já é assinante, entre com sua conta

Você precisa adquirir uma de nossas assinaturas.

TV DBO

A gestão da fazenda começa em casa

Carla de Freitas, pecuarista e presidente do Núcleo Feminino do Agronegócio, é a convidada do “DBO Entrevista” desta quarta-feira (3/3), a partir das 18h30. Acompanhe AO VIVO