Setor ambiental deveria ter agências de rating, diz CEO global da BRF

Para Lorival Luz, isso permitiria que o setor ambiental no Brasil, sobretudo o agronegócio, fosse julgado não a partir de acusações infundadas, mas com base "em fatos, dados, métricas efetivas e padrões"

O setor de meio ambiente global deveria ser acompanhado a partir de agências de rating, como já existe no meio empresarial e bancário, defendeu o CEO global da BRF, Lorival Luz, que participou, no início da noite desta quarta-feira, 6, de “live” com o coordenador do FGV Agro, o ex-ministro da Agricultura Roberto Rodrigues.

Isso permitiria que o setor ambiental no Brasil, sobretudo o agronegócio, fosse julgado não a partir de acusações infundadas, mas com base “em fatos, dados, métricas efetivas e padrões”, disse. “Aí se elimina a retórica do discurso e do marketing.”

VEJA TAMBÉM | Abiec e Apex-Brasil divulgam a sustentabilidade da carne bovina brasileira

Para Luz, a falta deste tipo de métrica, aceita globalmente, faz com que não chegue para o consumidor o que as empresas de alimentos, que trabalham corretamente no sentido de preservação ambiental, estão fazendo.

“Se você for para uma ampla população no mundo, a imagem do Brasil se resume a ser o ‘maior poluidor’, um país que joga contra o meio ambiente porque tem desmatamento ilegal”, disse ele, acrescentando que o que o setor faz de correto, ambientalmente falando, não aparece. “Precisamos trabalhar com critérios específicos justamente por causa disso”, ressaltou. “A matriz energética limpa que o País tem, por exemplo, não aparece, não existe na cabeça das pessoas, porque isso não é falado.”

Daí a necessidade de métricas aceitas globalmente, como já existe para o mercado financeiro, que segue as agências de rating nas classificações de empresas e bancos. Para Luz, se algo neste sentido existisse em relação ao meio ambiente, “o mercado se autorregularia” para direcionar financiamentos a iniciativas efetivamente sustentáveis, de acordo com critérios aceitos por todos.

“Se houvesse um rating como este, se uma empresa (bem classificada) emitisse um bond ou debênture, o spread cobrado seria menor.”

Ele lembrou, por exemplo, que recentemente a BRF anunciou investimentos em matrizes energéticas renováveis como em energia solar e eólica.

Luz acha importante, porém, que todos esses critérios de rating ambiental que passariam a existir precisariam também “chegar ao consumidor”.

“Hoje, o consumidor não sabe quem é quem. Ele olha na prateleira do supermercado e não sabe se aquele produto foi produzido por uma empresa que tem gerador a diesel ou a carvão; essa informação também precisa chegar, para ele ter o direito de escolher entre um produto ou outro, mais alinhado com o que ele pensa e quer.”

Para Luz, se o consumidor não tiver acesso a este tipo de informação, “fica difícil”, pois se cria um “desestímulo” para as empresas fazerem algo a mais.

Ainda sobre possíveis métricas para medir o desempenho ambiental de empresas, Luz ressaltou que é necessário criar ferramentas isentas, com base na ciência.

“Não podemos engolir a métrica deles (dos países europeus, por exemplo). Não podemos deixar a verdade dos outros virar a ‘verdade verdadeira’ para todos.”

Sob este aspecto, Luz disse que participa de um grupo de CEOs globais, “muitos da União Europeia”, que lançaram a discussão de que se deveria diminuir o consumo de proteína animal em favor de uma alimentação à base de mais vegetais.

“Eu disse que a produção de proteína animal pode ser tão sustentável quanto a produção de vegetais”, disse ele, acrescentando: “Você vê como esse discurso prevalece (de redução do consumo de proteína animal), e passa a ser a ‘verdade verdadeira’ deles”, disse. “No Brasil, somos muito mais eficientes e produtivos, nossa produtividade é muito maior; no fundo este discurso (ambiental na UE) pode ser uma forma de limitar o acesso dos produtos brasileiros aos mercados.”

Luz reconheceu, porém, que, para isso, é necessário o empresariado brasileiro “fazer a sua parte, sendo protagonista e mostrando as ‘verdades verdadeiras'” que há aqui, “sem deixar que eles imponham a verdade deles”.

VEJA TAMBÉM | COP 26: CNA defende reconhecimento internacional de boas práticas do agronegócio

Compartilhe
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no linkedin
LinkedIn
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email

Boi-safrinha de cara nova

CONFIRA os destaques da edição de outubro da Revista DBO; na capa, as novidades deste versátil sistema de produção

Boi-safrinha de cara nova

CONFIRA os destaques da edição de outubro da Revista DBO; na capa, as novidades deste versátil sistema de produção

Publieditorial

2742961

Newsletters DBO

Os destaques do dia da pecuária de corte, pecuária leiteira e agricultura diretamente no seu e-mail.