Setor pecuário já contabiliza “prejuízo”, afirma Lygia Pimentel, da Agrifatto

Analista diz que recebeu e-mails de representantes da Austrália, EUA e China, solicitando informações sobre o possível caso de vaca louca atípica em MG

Nesta tarde de quinta-feira, 2 de setembro, todos os envolvidos na cadeia produtiva da carne bovina – dos pecuaristas aos frigoríficos – seguem apreensivos em relação ao andamento das investigações por parte do Mapa (Ministério da Agricultura, Abastecimento e Pecuária) sobre a suspeita de um caso no Brasil de Encefalopatia Espongiforme Bovina (BSE, na sigla em inglês – conhecida como “doença da vaca louca”) atípica, em Minas Gerais.

No entanto, na avaliação de Lygia Pimentel, pecuarista e presidente da consultoria paulista Agrifatto, apesar das muitas dúvidas em relação ao possível caso, “o prejuízo” já foi contabilizado pela cadeia pecuária de corte.

“Não adianta tapar o sol com a peneira, deixar o pecuarista no escuro, fingir que nada está acontecendo”, diz ela em novo episódio de podcast da Agrifatto, intitulado “O que sabemos sobre a suspeita de EBB no Brasil e quais as possibilidades a partir daqui”.

Segundo Lygia, desde ontem (1/09) ela passou a receber mensagens dos “gringos” querendo saber mais detalhes sobre o espinhoso assunto. “Recebi e-mails de analistas da Austrália e dos Estados Unidos, e também de representantes de compradores de carne na China”, conta a presidente da Agrifatto.

VEJA TAMBÉM | Suspeita de vaca louca atípica é investigada pelo Ministério da Agricultura

Além disso, diz Lygia, ela recebeu a confirmação de que frigoríficos presentes no Brasil já estariam paralisando os embarques de carne bovina ao exterior, e também as ordens de compras de boiadas terminadas.

“Essas confirmações vieram de fontes confiáveis dentro da indústria; ou seja, prejuízo já teve, agora resta esclarecer o caso”, reforça ela, sem relevar os nomes dos informantes.

SAIBA MAIS | Scot: autoridades brasileiras identificaram possível caso de vaca louca atípica em MG

Lygia também cita o tombo de ontem do indicador Cepea do boi gordo (praça paulista), que fechou negociado a R$ 305,50/@, queda diária de 2,5% sobre o valor do dia anterior, de R$ 313,40 (cotação em 31 de agosto).

Compartilhe
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no linkedin
LinkedIn
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email

Boi-safrinha de cara nova

CONFIRA os destaques da edição de outubro da Revista DBO; na capa, as novidades deste versátil sistema de produção

Boi-safrinha de cara nova

CONFIRA os destaques da edição de outubro da Revista DBO; na capa, as novidades deste versátil sistema de produção

Publieditorial

2742961

Newsletters DBO

Os destaques do dia da pecuária de corte, pecuária leiteira e agricultura diretamente no seu e-mail.