Setor produtivo pede suspensão imediata de importação de leite em pó do Mercosul

Segundo a Abraleite, o momento atual para a cadeia produtiva de leite do Brasil "é difícil" e as aquisições de leite dos países vizinhos "complicam a situação"
Foto: Ilustração

A cadeia produtiva de leite, reunida na Câmara Setorial do Leite do Ministério da Agricultura na semana passada, divulgou nota nesta segunda-feira (8/2) na qual pede para “suspender as importações predatórias de leite em pó do Mercosul“. Segundo a Associação Brasileira de Leite (Abraleite), uma das signatárias da nota, o momento atual para a cadeia produtiva de leite do Brasil “é difícil” e as aquisições de leite dos países vizinhos “complicam a situação”.

O cenário, com a demanda interna retraída por lácteos – sobretudo pelo fim do auxílio emergencial – e uma oferta excessiva atribuída às importações do Mercosul, é prejudicial ao setor no País, avalia o documento.

Para enfrentar esta caótica conjuntura, apresentamos à ministra (da Agricultura, Tereza Cristina) pleito indicando suspensão imediata das importações de lácteos da Argentina e do Uruguai, até que os setores produtivos do Brasil e dos países vizinhos estabeleçam tratativas de convivência mútua“, diz o documento.

A nota foi assinada por várias instituições representantes do setor leiteiro que pedem também que os lácteos sejam colocados na lista de exceção do Mercosul, o que resultaria na incidência de impostos de importação, “da mesma forma que o açúcar brasileiro, que é tributado nas exportações aos países vizinhos”.

A Câmara Setorial do Leite, que abriga 35 instituições do setor, critica também o forte aumento dos insumos necessários à pecuária leiteira, principalmente milho e farelo de soja, “que gerou uma elevação sem precedentes no custo de produção ao longo de toda a cadeia produtiva”.

“Outro ponto de preocupação é a retração no mercado dos principais derivados lácteos (leite longa vida, queijo muçarela e leite em pó), que ocorre devido ao forte descompasso entre a oferta e a demanda”, cita a nota, lembrando que o fim do auxílio emergencial enfraqueceu o poder de compra dos brasileiros.

O texto do documento se encerra com a expectativa de que a ministra leve o pleito ao presidente Jair Bolsonaro, a fim de “reverter imediatamente os danos causados” pelas importações do Mercosul.

Compartilhe
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no linkedin
LinkedIn
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email

As apostas são altas para o futuro da produção de carne no Brasil. Veja o que dizem as lideranças ouvidas para o Especial Perspectivas 2021 do Anuário DBO. Assista:

Publieditorial

2742961

Newsletters DBO

Os destaques do dia da pecuária de corte, pecuária leiteira e agricultura diretamente no seu e-mail.