Sustentabilidade, um legado para as próximas gerações. Por Ariel Maffi

Ariel Maffi, vice-presidente da área de Ruminantes da DSM no Brasil, fala da intensificação da pecuária e da importância dos sistemas de produção para saltos tecnológicos

Surgido nos anos 1970, o termo “sustentabilidade” passou a representar toda atividade que fosse considerada economicamente viável, socialmente justa e ambientalmente correta. Desde então, a adoção do ideal econômico, social e ambiental foi incorporado pelo agronegócio brasileiro, que compete diretamente com grandes players internacionais. Tais mercados reconhecem a sustentabilidade como uma chave de sucesso ao novo modo de produzir no setor, com uma série de barreiras sanitárias e comerciais. No campo, a maioria dos grandes e pequenos produtores adotam boas práticas de manejo das fazendas, com a consciência de que o futuro da agricultura e da pecuária está vinculado à preservação dos recursos naturais, de forma equilibrada com a atividade econômica/produtiva.

Na pecuária de corte e leite, a adesão à sustentabilidade tem como aliada as novas tecnologias, que desenvolvem ferramentas para impulsionar a produtividade no campo por meio de melhor aproveitamento dos recursos naturais. Nas fazendas brasileiras, embora haja muito espaço ainda para a tecnologia, os produtores já buscam os melhores índices zootécnicos do rebanho, produtividade, rentabilidade, ao mesmo tempo que respeitam o meio ambiente. A intensificação da pecuária tem sido um processo que melhora o resultado da propriedade, com um efeito imediato de “poupa-terra”, ao permitir se produzir mais arroba por hectare e liberar espaço (terra) para outras aplicações, como agricultura ou mesmo preservação.

Continue a leitura após o anúncio

A intensificação da pecuária tem sido um processo que melhora o resultado da propriedade, com um efeito imediato de “poupa-terra”

Mas sabemos ainda há muito a ser feito. Em termos de produtividade, o Brasil ainda tem baixos índices quando comparado com outros competidores do mercado global, a exemplo dos Estados Unidos. Quem conhece o setor de perto sabe que, com a aplicação de tecnologias economicamente viáveis (tecnologias que se pagam!), é possível aumentar significativamente a produção sem ampliar a área, com reflexo sistêmico em termos de sustentabilidade.

Com recuperação de pastagens e fornecimento de suplementação para os bovinos em sistemas de produção a pasto, aliada à expansão de sistemas mais intensivos, como semiconfinamento e confinamento, é possível produzir muito mais e com mais qualidade, melhorar a rentabilidade individual dos produtores e gerar divisas para o País. Adicionalmente às tecnologias de nutrição animal, há também atualmente avanços no ambiente digital que também auxiliam os produtores. Somadas, essas tecnologias ajudam a reduzir erros e eventuais perdas, como a dosagem de insumos e o desperdício de água, por exemplo.

Em outras palavras. Com investimentos relativamente baixos em manejo e tecnologias economicamente viáveis, ninguém segura o Brasil.

Com melhores índices zootécnicos e atendimento às exigências do mercado doméstico e internacional, a rentabilidade é uma consequência natural da fazenda e do setor. A pecuária e o agronegócio ganham força e a sustentabilidade, nesse ambiente, torna-se cada vez mais um impulsionador de negócios e indicador de competitividade, suprimindo as necessidades da geração atual sem comprometer o atendimento às futuras gerações. E para chegar a esse patamar, há vários caminhos.

Além dos esforços que já vêm sendo feitos no campo em torno de ampliar o uso de tecnologias, há também as políticas públicas, como o Código Florestal brasileiro, que determina que o proprietário de terra reserve parte da área para floresta. Contudo, apesar das regulações que os empresários do campo têm de se adequar, é cada vez maior a adesão de pecuaristas que optam, por exemplo à técnica da Integração Lavoura Pecuária Floresta (ILPF), que busca a consonância do sistema agrícola e florestal, com benefício de recuperação de nutrientes para o solo e até mesmo sombra para o rebanho bovino.

Questões como essas reforçam o debate de que a sustentabilidade é um caminho a ser perseguido. Por fim, vale ressaltar que a sensação de que “tudo passa pelo agro” é pertinente. Sem delongas, é possível afirmar que o agronegócio é uma das principais atividades econômicas do país. No atual cenário de pandemia da Covid-19, em que vários setores têm sido impactados pela queda no consumo das famílias, o agro e a pecuária mostraram-se resilientes na missão essencial de alimentar a população com proteína de alta qualidade. Além de deixar para as próximas gerações o legado de uma pecuária forte, também é possível deixar como legado o respeito às pessoas e o cuidado com os recursos naturais.

 Ariel Maffi, vice-presidente da área de Ruminantes da DSM no Brasil

2742961

Os destaques do dia da pecuária de corte, pecuária leiteira e agricultura diretamente no seu e-mail.

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no linkedin
LinkedIn
Compartilhar no pinterest
Pinterest
Compartilhar no pocket
Pocket
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no skype
Skype
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no linkedin
LinkedIn
Compartilhar no pinterest
Pinterest
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no pocket
Pocket

Sobre o autor

Notícias

TV DBO