Tabelamento de fretes rodoviários não sai da pauta

Estabelecido depois da grave dos caminhoneiros em 2018, STF adia mais uma vez a constitucionalidade da lei

A Confederação Nacional da Indústria (CNI) reiterou o posicionamento contrário à interferência do governo no livre mercado ao tabelar o frete. O Supremo Tribunal Federal, por meio do ministro Luiz Fux, adiou o julgamento das ações que questionam o tabelamento. A decisão, a pedido da Advocacia- Geral da União (AGU), saiu ontem (13/2).

Aprovado após a greve dos caminhoneiros de 2018, a lei 13.703, de 2018, o tabelamento especifica que os pisos mínimos de frete deverão refletir os custos operacionais totais do transporte, definidos e divulgados nos termos da Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT), com priorização dos custos referentes ao óleo diesel e aos pedágios.

De acordo com a legislação, a tabela deve trazer os pisos mínimos referentes ao quilômetro rodado por eixo carregado, consideradas as distâncias e as especificidades das cargas, bem como planilha de cálculos utilizada para a obtenção dos pisos mínimos. Esses valores serão reajustados sempre que houver uma variação negativa ou superior de 10% no preço médio ao consumidor do óleo diesel.

Na avaliação da CNI, a tabela representa uma interferência no mercado. Além disso, leva mais gastos ao governo porque é preciso fiscalizar sua aplicação. “A gente sabe desde a idade da pedra que a lógica econômica sempre vai prevalecer”, disse professor Armando Castelar, da Fundação Getúlio Vargas. O economista foi convidado pela CNI para discutir as desvantagens do tabelamento do frete e o seu impacto na economia e no desenvolvimento do País.

Para o presidente-executivo da Associação Nacional dos Usuários de Transportes de Carga (Anut), Luís Henrique Baldez, “qualquer tabela é impossível de ser construída e aplicada”. O que existe, segundo ele, “é uma tentativa de se criar determinados valores para determinados tipos de carga que não refletem adequadamente todos produtos”.  Entre as propostas da CNI, está a de que a tabela passe a ser apenas uma referência para os valores a serem cobrados pelo frete, e não uma determinação do governo federal.

Saiba mais

  • Em 2018, a tabela de preços mínimos de frete foi uma das principais concessões para que os caminhoneiros encerrassem um greve nacional que durou 11 dias
  • Na ocasião foi instituída uma Medida Provisória 832/2018 para a tabela
  • Depois, foi convertida na Lei 13.703/2018, através da Resolução 5.820/2018 da ANTT
  • No STF há três ações diretas de inconstitucionalidade feitas por ATR Brasil (empresas transportadoras), CNI (confederação da indústria) e CNA (agricultura e pecuária) 

Fonte: Agência Brasil

Compartilhe
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no linkedin
LinkedIn
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email

Publieditorial

2742961

Newsletters DBO

Os destaques do dia da pecuária de corte, pecuária leiteira e agricultura diretamente no seu e-mail.