Tereos conclui primeiro financiamento sustentável do setor sucroenergético brasileiro

Valor de contratação do novo empréstimo é de US$ 105 milhões
Foto: SEAPA

A Tereos Açúcar e Energia Brasil concluiu a contratação de um novo empréstimo de US$ 105 milhões, o primeiro financiamento sustentável do setor sucroenergético brasileiro, informou a empresa nesta segunda-feira.

O valor faz parte de uma linha de pré-pagamento de exportação (PPE) que tem prazo de 5 anos e será utilizado para financiar as exportações do grupo no Brasil, além de refinanciar parte de uma dívida que venceria neste ano. A transação foi coordenada pelos bancos ING e Natixis, além de ter contado com a participação dos bancos BNP Paribas, CIC, Citibank, Commerzbank e Rabobank, de acordo com nota emitida pela empresa.

A negociação ocorre por meio de um mecanismo atrelado à sustentabilidade, no qual a Tereos se compromete com metas de desenvolvimento sustentável. Entre elas estão a redução anual de emissões de gases de efeito estufa por tonelada de cana processada, a redução anual no consumo de água por tonelada de cana processada e o aumento anual da porcentagem de cana certificada.

Para cada ano em que a empresa cumprir essas metas, o financiamento tem uma redução na taxa de juros. A fiscalização é realizada por um auditor independente.

Ao vincular nossos financiamentos ao desempenho sustentável, nós nos comprometemos ainda mais a promover essa prática em nossas operações. Estamos orgulhosos de dar este passo à frente com o empréstimo sustentável, apoiado por muitos de nossos parceiros financeiros de longo prazo“, comentou a CFO do grupo Tereos, Stephanie Billet.

Compartilhe
WhatsApp
Facebook
Twitter
LinkedIn
Telegram
Email

Revista DBO | Na vanguarda ambiental

VEJA mais destaques da edição de julho; na capa, Liga do Araguaia entra no “mercado verde”. Alguns produtores já recebem de R$ 250 a R$ 370/ha/ano para manter excedente florestal de pé.

Revista DBO | Na vanguarda ambiental

VEJA mais destaques da edição de julho; na capa, Liga do Araguaia entra no “mercado verde”. Alguns produtores já recebem de R$ 250 a R$ 370/ha/ano para manter excedente florestal de pé.

Publieditorial

2742961

Newsletters DBO

Os destaques do dia da pecuária de corte, pecuária leiteira e agricultura diretamente no seu e-mail.